10:35 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Míssil de cruzeiro ucraniano Neptun

    Ucrânia poderia construir mísseis que 'alcancem Moscou'?

    © Foto: Facebook/ SE "SKDB "LUCH"
    Defesa
    URL curta
    224

    Neste ano, o consórcio estatal ucraniano Ukroboronprom transferiu para as Forças Armadas do país 3.500 unidades de armas e equipamentos.

    O presidente Pyotr Poroshenko afirma que, no futuro, o complexo militar-industrial ucraniano se concentrará na criação de seus próprios mísseis de alta precisão que não serão inferiores em características aos melhores padrões mundiais.

    Neste artigo a Sputnik esclarece se Kiev consegue cumprir essa tarefa.

    Ambições napoleônicas

    Políticos e líderes militares de Kiev falam há muito tempo sobre o renascimento do complexo militar-industrial. O catalizador disso, como enfatizam os ucranianos, foi a alegada "agressão russa", em resposta à qual o complexo militar-industrial se mobilizou e agora relata regularmente sobre suas inovações.

    Por exemplo, dois anos atrás foi anunciado o sistema tático operacional Grom-2, que deveria substituir o sistema de mísseis táticos soviético Tochka-U e se tornar um análogo do russo Iskander. Segundo os projetistas, o alcance máximo do Grom-2 será de 300 quilômetros, com a possibilidade de ser aumentado até quinhentos.

    Evidentemente, os especialistas militares ucranianos apontaram imediatamente a Ponte da Crimeia e algumas cidades russas como seus alvos potenciais. Além disso, na opinião deles, os S-300 e até os S-400 russos serão impotentes diante do Grom-2, porque seu míssil pode manobrar e mudar a trajetória do voo, penetrando nos sistemas de defesa antiaérea mais poderosos. Kiev acredita que com essas armas a situação na região mudará radicalmente.

    Outro desenvolvimento promissor é o primeiro míssil de cruzeiro ucraniano Neptun, projetado para atingir alvos marítimos e costeiros a uma distância de até 280 quilômetros.

    A próxima etapa do rearmamento é um míssil de alta precisão de médio alcance. O especialista militar ucraniano, Valentin Badrak, disse anteriormente que a Ucrânia criará um míssil capaz de "alcançar Moscou". Segundo ele, a nova arma prevê "mudar a retórica das negociações", uma vez que a Ucrânia, armada com "cem ou duzentos destes mísseis", poderá "ditar as suas condições" e "defender a sua posição na área da integração euro-atlântica".

    Herança desperdiçada

    No entanto, todas essas declarações falham perante a dura realidade. A Ucrânia herdou dezenas de empresas de pesquisa e desenvolvimento e departamentos de projetos da União Soviética, mas depois da "perestroika" essas empresas foram drasticamente se degradando, e isso também se aplica ao setor de mísseis e artilharia.

    "Para produzir armas de alta qualidade, é necessária uma determinada reserva cientifica e técnica. O complexo militar-industrial da Ucrânia está estagnado. Eles podem produzir exemplares individuais de armamentos – no máximo, pequenos lotes. A produção em larga escala é muito cara para o país. É muito fácil desperdiçar, criar algo novo é muito mais difícil", elucidou o analista militar Aleksei Leonkov.

    O analista militar Viktor Murakhovsky acredita que Kiev dificilmente conseguirá desenvolver um míssil capaz de "alcançar Moscou". Entre um dos fatores está o acordo sobre o regime de controle das tecnologias de mísseis, assinado pelos EUA e pela Rússia. Este documento não permite a entrega de tecnologias que possam levar à criação de mísseis com alcance superior a 300 quilômetros e com uma carga útil de mais de 500 quilos.

    Perspectivas sem esperança

    Quanto às exportações, as armas devem comprovar sua eficácia e estar em serviço do exército do país fabricante para ter sucesso no mercado global, acrescentou Leonkov.

    "A primeira pergunta que os clientes sempre fazem é: o Exército ucraniano está armado com esse sistema? […] São bem conhecidas as histórias do armamento de baixa qualidade que a Ucrânia vendeu no exterior […] O que é negativo se espalha muito mais rápido do que o que é positivo. E a lista de países dispostos a cooperar com o complexo militar-industrial ucraniano é cada vez menor", esclareceu o especialista.

    Na década de 1990, a Ucrânia estava entre os dez líderes mundiais em exportações de armas por meio da venda de estoques soviéticos. O país não pode produzir em massa suas próprias armas, uma vez que toda a produção estava intimamente ligada à cooperação com a Rússia. Hoje essa cooperação está destruída e não há nada para substituí-la.

    É óbvio que todas as declarações da liderança ucraniana sobre o renascimento do complexo militar-industrial são pura propaganda destinada a obter mais milhões do orçamento do país e a ajuda de parceiros ocidentais.

    Mais:

    Ucrânia tem lanchas 'invisíveis' ou inventa histórias de 'Holandês Voador'?
    Ucrânia suspeita que Rússia esteja posicionando armas nucleares na Crimeia
    Por que EUA consideram incompetentes militares das Forças Armadas da Ucrânia?
    Tags:
    mísseis, complexo militar-industrial, Iskander, Tochka-U, S-400, S-300, Grom-2, União Soviética, Moscou, Kiev, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik