07:25 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Caça norte-americano F-35

    Tecnologia 'revolucionária' pode tornar caça F-35 uma coisa do passado, opina analista

    CC BY 2.0 / Heath Cajandig
    Defesa
    URL curta
    1197

    Futuros caças podem ser totalmente diferentes dos atuais, com sistemas de controle de voo e cabines radicalmente alterados.

    Enquanto os atuais caças como o F-35 e a versão Block III do F/A-18E/F Super Hornet possuem grandes telas e displays avançados montados no capacete, a próxima geração de caças poderia dispensar qualquer destes itens tradicionais, pois poderão receber uma cabine virtual projetada diretamente no capacete do piloto.

    Caça furtivo F-35B da Força Aérea dos EUA em um hangar após a cerimônia de apresentação na base aérea de Eglin (foto de arquivo)
    © REUTERS / Michael Spooneybarger/File Photo
    Segundo o tecnologista da empresa BAE System, Jean Page, "[…] nós estamos pesquisando a chamada ‘cabine vestível'", sendo "[…] possível remover muitos dos elementos físicos da cabine, os substituindo por um display virtual projetado através do capacete. Basicamente, se trata de uma cabine por meio de software que será atualizável, adaptável e configurável".

    A empresa ainda pretende utilizar um sensor de movimento, que rastreará o movimento dos olhos dos pilotos, permitindo a interação com os monitores virtuais, segundo o artigo publicado por Dave Majumdar na revista The National Interest.

    Page afirma que, "[…] a ideia é analisar quais são os controles críticos para os pilotos, tornando seus gerenciamentos mais fáceis. O rastreamento ocular permitirá olhar para algo para o destacar e, através de um gesto, ‘pressionar' um botão […]".

    A utilização do rastreamento ocular, juntamente com a inteligência artificial, permitirá a antecipação dos sistemas em relação às intenções dos pilotos, fazendo com que o caça atue de maneira proativa, ajudando na execução de tarefas e reduzindo a carga de trabalho do piloto.

    A Força Aérea dos EUA estudou e até demonstrou anteriormente conceitos similares aos demonstrados este ano pela BAE Systems, porém isso ocorreu nos anos 1980. Alguns dos conceitos foram adotados nos caças F-22 Raptor e F-35, já os conceitos mais radicais foram adiados.

    Os conceitos "radicais" de 1980 visavam o controle através de uma combinação de voz e toque, onde os sensores de toque seriam acoplados nas luvas dos pilotos, o que permitiria o controle mesmo em condições de força G críticas, já que também seria possível controlar os sistemas através de comandos de voz.

    Desse ponto de vista, o que era antigo pode se tornar aplicável no futuro, já que a tecnologia dos anos 1980 poderia ser facilmente produzida e colocada em prática na próxima geração de caças, podendo tornar o F-35 em algo do passado, já que o caça mais caro na história da produção de armas tem gerado perplexidade pelas suas inúteis missões, incapacidade em portar os armamentos necessários, além de apresentar falhas que resultaram em quedas inexplicáveis.

    Mais:

    Compra de F-35 por Bruxelas prejudicará economia belga, opina analista
    Revista norte-americana indica o que 'estraga' capacidades furtivas do F-35
    Mídia americana indica nova vulnerabilidade do caça F-35
    Tags:
    tecnologia militar, avião de combate, avião de assalto, caça, F-35, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik