20:49 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, na cerimônia de entrega a Kiev de duas lanchas dos EUA em Baltimore

    Que obstáculo impede que a Ucrânia se torne 'posto avançado da OTAN'?

    CC BY-SA 4.0 / The Presidential Administration of Ukraine
    Defesa
    URL curta
    367

    O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, declarou que seu país é de fato o flanco oriental da OTAN. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o politólogo Aleksei Bychkov expressou a sua opinião de que as autoridades ucranianas confundem, como sempre, seus desejos com a realidade.

    O presidente ucraniano visitou a base da Guarda Costeira dos EUA em Baltimore, onde teve lugar a cerimônia de entrega a Kiev de duas lanchas de patrulha descomissionadas.

    "A Ucrânia é de fato o flanco oriental da OTAN, e este gesto de apoio reforçou a cooperação militar entre nossos países", disse Poroshenko.

    Segundo ele, a entrega das lanchas confirma "a importância da Ucrânia para o futuro de todo o mundo livre".

    Poroshenko afirmou que até hoje Kiev já recebeu de Washington mais de um bilhão de dólares como "apoio à segurança", inclusive como assistência à reforma do setor de defesa ucraniano e à introdução da lei sobre segurança nacional. Segundo ele, o exército da Ucrânia está se tornando compatível com Forças Armadas dos EUA e com a OTAN.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o politólogo Aleksei Bychkov comentou que a declaração de Poroshenko é uma tentativa de apresentar seus desejos como realidade, o que também está relacionado com as futuras eleições na Ucrânia.

    "A história não admite o modo subjuntivo, mas a Ucrânia em perspectiva poderia se ter tornado um posto avançado da OTAN nas fronteiras europeias orientais da aliança, fechando o assim chamado anel da OTAN em redor da Rússia. Mas os acontecimentos de 2014 embaralharam todas as cartas, frustrando esses planos", disse o politólogo.

    Para ele, se hoje a Crimeia fosse território ucraniano, em vez dos navios russos lá estariam os navios da OTAN. Porém, não aconteceu assim.

    Os Estados que têm disputas territoriais não podem aderir à OTAN, como no caso da Geórgia e da Ucrânia que aspiram à adesão, destacou o especialista.

    A entrega de armas e embarcações à Ucrânia é uma tentativa de não a deixar de fora e de mostrar seu interesse pelo seu reforço, segundo dizem. No entanto, o país recebe equipamento obsoleto, já inútil para o exército dos EUA, sublinhou Aleksei Bychkov, acrescentando que em vez de ser reciclado ele é enviado à Ucrânia e outros países que querem aderir à OTAN.

    O interesse da Ucrânia pela OTAN vem aumentando desde 2014, quando o governo pró-ocidental de direita chegou ao poder. Os deputados da Suprema Rada adotaram emendas às leis que anteriormente estabeleciam o estatuto da Ucrânia como país não-alinhado. Em 2016, a entrada do país na OTAN foi oficialmente reconhecida como objetivo da política externa do país.

    Por sua vez, o ex-secretário geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen assinalou que, para aderir à aliança, a Ucrânia deve cumprir várias exigências, cuja realização pode demorar anos. Segundo vários especialistas, Kiev precisará de ao menos 20 anos para fazê-lo.

    Mais:

    'Sucata' dos EUA é recebida com todo carinho pela Ucrânia
    Pompeo alega que Rússia 'não provou ser útil na Ucrânia e Síria'
    Marinha da Ucrânia acusa Rússia de criar 'incidentes perigosos' (FOTOS)
    Navios militares da Ucrânia se aproximam da Crimeia
    Chanceler ucraniano anunciou que existe um plano secreto da Ucrânia para mar de Azov
    Tags:
    adesão à OTAN, obstáculos, apoio militar, lanchas, OTAN, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik