23:37 17 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Submarino nuclear russo Vladimir Monomakh da classe Borei

    Mídia indica 3 tecnologias militares que Rússia 'não venderá sob nenhumas condições'

    © Sputnik / Ildus Gilyazutdinov
    Defesa
    URL curta
    9782

    A edição chinesa Jinri Toutiao indicou três tecnologias militares russas que muitos países desejariam obter.

    Moscou, segundo o portal chinês, é um dos líderes mundiais na produção e exportação de armas e tecnologias militares. Porém, sublinha, há três tecnologias que a Rússia "não venderá sob nenhumas condições".

    No primeiro lugar, a edição colocou a tecnologia de produção de submarinos nucleares. Desde a época soviética, Moscou "não tem concorrentes nesta esfera", escreve o autor do artigo. Em particular, destacou o fato de os submarinos atômicos russos serem silenciosos.

    "Assim, os submarinos nucleares da classe 955 Borei, de 24 mil toneladas de deslocamento, produzem apenas 108 decibéis de ruído. A tecnologia permite aos submarinos nucleares, estes assassinos marinhos, virar ainda mais furtivos", diz o artigo da Jinri Toutiao.

    A edição ressalta também os sistemas de mísseis Sarmat, que possuem "não apenas um enorme poder de ataque, mas também a capacidade de superar os mais sérios sistemas de defesa antiaérea" principalmente graças a seu "ataque orbital".

    A última tecnologia na lista é a tecnologia de produção de motores para aviões.

    "Podemos até dizer que os desenvolvimentos russos nesta área já estão avançados no tempo", diz a matéria.

    O autor frisa que a produção de motores para aeronaves é o ponto fraco do setor de defesa chinês, sendo por isso que Pequim aspira tanto a obter estas tecnologias.

    Mais:

    Sistemas de artilharia russos serão ainda mais potentes, diz analista militar
    Pentágono diz que armas nucleares russas são principal ameaça para EUA
    Tags:
    tecnologia militar, aviões, motores, mísseis, submarinos, Sarmat, Borei, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik