04:51 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Drone norte-americano RQ-4 Global Hawk. Esta é uma das aeronaves estacionadas na base aérea de Al-Dhafra

    EUA estão desenvolvendo drones futuristas capazes de aniquilar ICBMs na fase de impulso

    © AP Photo / Northrop Grumman via U.S. Navy, Erik Hildebrandt
    Defesa
    URL curta
    20520

    Os Estados Unidos estão desenvolvendo drones equipados com laser que poderão atacar mísseis inimigos na fase inicial de lançamento, relata o canal Fox News.

    A analista militar do canal, Allison Barrie, descreveu como será a nova arma.

    Barrie recorda que as empresas Lockheed Martin, General Atomics e Boeing têm trabalhado para que estes drones, que agora "parecem uma coisa de ficção científica", possam se tornar realidade. Nesta semana, a Agência de Defesa contra Mísseis (ADM) dos EUA anunciou investimentos adicionais para as três companhias avançarem com o projeto, segundo o Fox News.

    Em vez de lançar interceptores desde terra e navios de guerra quando os mísseis já se estão dirigindo ao alvo, "estes drones incríveis poderão patrulhar preventivamente o céu inimigo" durante mais de um dia sem ter que aterrissar ou reabastecer com combustível, diz a autora do artigo. Assim, uma vez detectada a ameaça de lançamento, "armado com seu laser revolucionário, o drone poderia fazer explodir os mísseis inimigos enquanto estão literalmente saindo da plataforma de lançamento".

    De acordo com a matéria, a arma será capaz de atacar a partir de alturas impossíveis de ver a olho nu, enquanto para as forças inimigas isso pareceria "como se tudo de súbito começasse a se destruir e desintegrar".

    Para Barrie, a capacidade de atacar mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) durante a fase de impulso é uma das principais vantagens do drone do futuro, pois nesta etapa os mísseis estão "no seu ponto mais vulnerável".

    Drone norte-americano RQ-4 Global Hawk. Esta é uma das aeronaves estacionadas na base aérea de Al-Dhafra
    © AP Photo / Northrop Grumman via U.S. Navy, Erik Hildebrandt
    Além disso, em vez de ter que derrubar cada ogiva depois de ser lançada do míssil, na fase de impulso "apenas um disparo pode destruir múltiplas ogivas nucleares", detalhou a analista.

    Para poder chegar a uma plataforma de lançamento e destruir mísseis na fase de impulso, os drones deverão ter certas características. Em particular, os veículos terão que voar a pelo menos uma altitude de 19 quilômetros e permanecer mais de 36 horas no céu sem aterrissarem ou se reabastecerem. Os drones deverão ser capazes de alcançar uma velocidade de cruzeiro de Mach 0,46 (563,5 km/h) e percorrer ao menos 3 mil quilômetros até seu alvo.

    Outro aspecto importante é a capacidade de carga: a futura arma terá que carregar ao menos 5.670 quilos, porque um poderoso laser exige uma grande geração de energia.
    Segundo a mídia, o projeto do drone deverá estar pronto em dois anos e o do laser em três anos.

    Mais:

    Lança-granadas de fabricação norte-americana são encontrados na Síria (FOTO)
    Morte silenciosa: mídia americana elogia novo lança-minas russo
    Tags:
    icbm, inimigo, alvos, arma a laser, mísseis, drone, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik