20:04 09 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Caça F-35B

    Revista norte-americana indica o que 'estraga' capacidades furtivas do F-35

    © Foto : Lockheed Martin
    Defesa
    URL curta
    370

    O caça norte-americano de quinta geração F-35B Lightning II, de aterrissagem e decolagem verticais, é capaz de transportar bombas pesadas exclusivamente no exterior da fuselagem, o que priva o avião de suas vantagens furtivas.

    "O F-35B não é capaz de transportar bombas de duas mil libras [907 kg] de forma furtiva, já que elas precisam ser suspensas no exterior", escreveu o autor do artigo, Charlie Gao. De acordo com a edição, a maior parte das bombas antibunker norte-americanas são pesadas demais para serem colocadas no compartimento interno do F-35B Lightning II, embora a versão básica do caça (F-35A) permita fazê-lo. 

    O autor frisou que é difícil para um F-35B Lightning II voar completamente armado, dado que os armamentos tornam a aeronave pesada demais, impossibilitando o seu pouso vertical sobre um porta-aviões.

    "Se um F-35B levantasse voo com o peso máximo, precisaria gastar todos os armamentos em combate ou jogá-los antes de pousar", escreveu.

    Não obstante isso, segundo a revista, o F-35B continua sendo praticamente o mesmo avião que o F-35A, com algumas limitações quanto às capacidades de manobra e armas. "Possui os mesmos sistemas de sensor excelentes, radar e capacidade de transmissão de dados", ressaltou a edição.

    Desde 2001, a família de caças polivalentes de quinta geração F-35 Lightning II está sendo produzida pela empresa Lockheed Martin. Existem três versões do caça: para a Força Aérea, com curta decolagem e aterrissagem vertical, e a versão embarcada. 

    Mais:

    Compra de F-35 por Bruxelas prejudicará economia belga, opina analista
    Empresa estadunidense estaria elaborando 'híbrido' de F-35 e F-22 para conter Rússia
    Mídia americana indica nova vulnerabilidade do caça F-35
    Tags:
    tecnologia furtiva, F-35B, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik