21:54 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Veículo antitanque Sprut-SDM1 durante o fórum EXÉRCITO 2016

    Conheça o Sprut, um novo blindado anfíbio russo que ajudará países insulares

    © Sputnik / Aleksei Filippov
    Defesa
    URL curta
    5180

    Potência de fogo de um tanque, capacidade de manobra de um veículo de combate de infantaria e capacidade de superar obstáculos aquáticos de qualquer profundidade – é isso que representa o veículo antitanque Sprut-SDM1 que logo irá integrar o arsenal das Forças Aerotransportadas da Rússia.

    Em um artigo especial para a Sputnik, o colunista Nikolai Protopopov escreve que, julgando pelos testes, o veículo acabou sendo tão eficiente que os construtores planejam promovê-lo no mercado externo, ele enumera os lados fortes dessa arma e explica por que o exército russo decidiu recuperar o conceito dos tanques flutuantes.

    O primeiro exemplar desse veículo modernizado foi apresentado ao público durante o fórum militar EXÉRCITO 2015, enquanto os testes da máquina começaram na região de Pskov no ano seguinte. A nova versão do tanque é diferente da anterior, o Sprut-SD, primeiramente por ser construída com base no veículo BMD-4M. Além disso, o Sprut-SDM1 é equipado com um motor mais potente, um sistema de controle de tiro avançado, equipamento de pontaria moderno e um sistema automático de acompanhamento de alvos.

    Além disso, o veículo autopropulsado recebeu um novo sistema de mísseis guiados que é capaz de atingir blindados a cinco quilômetros de distância.

    Protopopov adianta que esta arma pode ser lançada de paraquedas junto com a tripulação ou desembarcada de um navio. O peso total do veículo é de apenas 18 toneladas e a tripulação é composta por três pessoas. Já o calibre principal do Sprut é um canhão 2A75 de 125 milímetros, que é o análogo mais curto da mesma peça do tanque T-90.

    Em estrada, o veículo consegue acelerar até 70 km/h, enquanto os jatos de água lhe permitem seguir a 7 km/h sobre a água. Além disso, nessas condições, a tripulação pode continuar a fazer fogo.

    Entretanto, não é a primeira vez que a indústria russa desenvolve um blindado flutuante. Ainda no início da década de 50, o exército soviético elaborou o veículo anfíbio PT-96. Esperava-se que, em caso de um conflito militar de larga escala com os países ocidentais, os combates principais acontecessem na Europa Central, por isso as tropas russas deveriam superar inúmeros obstáculos aquáticos. Porém, o veículo logo foi descartado, pois o foco da estratégia militar soviética se deslocou para o desenvolvimento de mísseis e armas nucleares.

    Sendo ligeiro, rápido, manobrável e potente, o Sprut-SDM1 será um bom amigo das Tropas Aerotransportadas da Rússia, bem como dos fuzileiros navais, escreve Protopopov. O canhão instalado nesse veículo autopropulsado é perfeito para dar apoio de fogo à infantaria, combater blindados inimigos, eliminar postos de comando e instalações fortificadas do inimigo.

    Claro que o Sprut fica atrás dos tanques de combate principais por seus meios de proteção e passaria por algumas dificuldades em um confronto com veículos mais pesados, embora a estrutura do veículo permita equipá-lo com mais conjuntos de proteção dinâmica.

    "Em combate o que mais importa é a mestria da tripulação. Por exemplo, os tanquistas iraquianos lidaram bem com os tanques Abrams estadunidenses, usando T-62 e mesmo T-54 obsoletos. Já nos anos da Grande Guerra pela Pátria [parte da Segunda Guerra Mundial compreendida entre 22 de junho de 1941 e 9 de maio de 1945 e limitada às hostilidades entre a União Soviética e a Alemanha nazista e seus aliados] os T-34 ligeiros eliminavam os pesados 'tigres' e 'panteras' alemães, sendo inferiores a eles quanto a armamentos e proteção. Graças à velocidade dos veículos e à alta mestria dos tanquistas, eles conseguiam se aproximar até o alcance necessário para disparar", disse o especialista em assuntos militares Aleksei Leonkov à Sputnik.

    No que se trata de exportações, o Sprut é especialmente atraente para forças armadas dos países insulares, como a Indonésia.

    "Lá, as forças antigovernamentais se aproveitam eficazmente das particularidades do território viajando de uma ilha para outra em lanchas. É muito difícil combatê-los — helicópteros e navios simplesmente jogam em vão o pega-pega com os criminosos. Já o Sprut pode agir de modo autônomo e é capaz de chegar a uma ilha sem ser detectado e eliminar o inimigo", resumiu.

    Mais:

    Especialista militar diz que 'novo' tanque ucraniano não passa de 'história em quadrinhos'
    Tanque T-14 na plataforma Armata está à frente de seu tempo, indica mídia americana
    Conheça Shturm, tanque robótico russo para combates urbanos
    Tags:
    anfíbio, 2S25 Sprut-SD, BMD-4M, Grande Guerra Pela Pátria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik