11:07 18 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Míssil de Ataque Marítimo é lançado a partir do navio militar norte-americano USS Coronado (LCS-4), Califórnia, EUA, setembro de 2014 (foto de arquivo)

    EUA resolvem lançar nova arma para conter mísseis russos e chineses

    © Foto: Wikipedia/Marinha dos EUA/ Zachary D. Bell
    Defesa
    URL curta
    7810

    A Marinha americana e outros aliados da OTAN estão lançando uma nova arma de alta tecnologia de defesa de navios que pode identificar, rastrear e atacar mísseis manobráveis antinavio com um buscador ativo, capaz de alterar o rumo do míssil em voo, dizem representantes do ramo.

    O Evolved Sea Sparrow Missile Block II (ESSM), é uma nova versão de um sistema existente de armas, o Sea Sparrow, que atualmente está protegendo porta-aviões, destróieres, cruzadores, navios de desembarque anfíbios e outras embarcações contra mísseis antinavio e outras ameaças de superfície e aéreas de curto alcance, segundo foi publicado por Kris Osborn na revista The National Interest.

    O míssil ESSM Block 2 irá ser produzido. Inclusive, os exercícios realizados mercaram o primeiro uso de buscador ativo, uma tecnologia emergente que permite melhorar a capacidade do míssil de seguir o alvo em voo, recebendo e enviando sinais eletromagnéticos. Além disso, o ESSM utiliza tecnologia de radar para localizar e interceptar um alvo em aproximação rápida, usando um iluminador, disseram à Warrior Maven desenvolvedores da Raytheon.

    Os atuais mísseis ESSM utilizam um sistema de guiamento semiativo, significando que o míssil pode receber sinais eletromagnéticos enviados pelo iluminador e refletidos do alvo. O guiamento "ativo" do ESSM Block 2 inclui a tecnologia do iluminador, incorporada no próprio míssil, podendo receber e enviar importantes sinais eletromagnéticos.

    O iluminador é um sinal de radiofrequência que é refletido do alvo, sendo que a antena no nariz na seção guiada do míssil vê a energia refletida e então introduz correções para interceptar essa energia refletida.

    O míssil ainda é capaz de interceptar ameaças que estão próximas da superfície do mar por voo rasante ou mergulhando sobre o alvo a partir de uma altitude maior. As melhorias da cinemática ou guiamento do míssil Block 2 aumentaram sua capacidade contra ameaças manobráveis. Além disso, o ESSM Block 2 está sendo adquirido pelos EUA e alguns aliados como Austrália, Canadá, Dinamarca, Holanda, Noruega e Turquia. Todos eles assinaram uma declaração de intenções para concretizar o desenvolvimento do sistema de mísseis, que estará totalmente operacional nos navios em 2020.

    O ESSM Block 2 é descrito pela Marinha norte-americana como parte do sistema de defesa por camadas, que integra uma série de armas, sensores e interceptores para detectar e destruir ameaças a distâncias variadas.

    Mais:

    Polônia decide acelerar processo de compra de sistema de mísseis dos EUA
    EUA negociam instalação do sistema de mísseis THAAD na Alemanha, diz agência
    Tags:
    ataque, mísseis, porta-aviões, sistema de defesa de mísseis, Sea Sparrow, Rússia, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik