17:57 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Secretário de Estado norte-americano James Mattis gestures durante a conferência de imprensa sobre a campanha contra o Daesh no Pentágono, Washington, 19 de maio de 2017

    Chefe do Pentágono considera espaço como novo 'teatro de operações militares'

    © REUTERS / Yuri Gripas
    Defesa
    URL curta
    221

    O secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, apoiou a ideia de criação de um comando operacional das forças espaciais dentro das Forças Armadas dos EUA.

    "Devemos considerar o espaço como um teatro de operações militares em desenvolvimento. A criação de um comando operacional é evidentemente uma das opções", declarou o chefe do Pentágono à emissora ABC News.

    Em junho, Trump instruiu o Pentágono a criar um ramo independente das Forças Armadas – a Força Espacial – em decorrência da preocupação com a segurança da infraestrutura norte-americana no espaço.

    Segundo Mattis, o departamento apoia plenamente essa iniciativa e está trabalhando na implementação da ideia. Ele observou que o espaço é "um campo de batalha tal como a terra, o ar e o mar".

    A vulnerabilidade dos objetos espaciais norte-americanos foi previamente apontada pelo diretor da NASA, Jim Bridenstine. Segundo ele, a perda do sinal de GPS ameaça "paralisar a atividade vital" dos EUA.

    Atualmente há seis comandos geográficos na estrutura das Forças Armadas dos EUA (Africano, Europeu, Pacífico, Norte, Sul e Central) e quatro funcionais (Estratégico, de Transportes, Cibernético e Comando de Operações Especiais).

    Perigo da corrida armamentista

    A Câmara dos Representantes do Congresso dos EUA aprovou em julho um projeto de orçamento de defesa que prevê o financiamento da criação de um escalão de meios espaciais para intercepção de mísseis balísticos.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia criticou essa decisão e instou Washington a abandonar o desencadeamento de uma corrida armamentista espacial.

    Os líderes dos países do BRICS também expressaram, na declaração de Joanesburgo, sua séria preocupação com a possibilidade desse desenvolvimento. Os líderes dos cinco países apelaram para que não se transformasse o espaço em uma arena para confronto militar e enfatizaram que impedir a instalação de armas no espaço "ajudará a evitar um enorme perigo para a paz e segurança internacional".

    Até o momento, nenhum país possui armas no espaço, apesar de, segundo os acordos internacionais, a proibição nesse sentido se referir apenas a armas de destruição em massa.

    Mais:

    Senadores dos EUA propõem reconhecer Rússia como patrocinador do terrorismo
    'Grande demais para falhar': por que EUA sacrificam a qualidade do caça F-35?
    Noruega e Reino Unido teriam se unido contra 'ameaça russa' para cumprir vontades dos EUA?
    Tags:
    confronto, mísseis balísticos, segurança internacional, espaço, BRICS, NASA, Pentágono, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Jim Bridenstine, Donald Trump, James Mattis, Washington, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik