13:51 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Morteiro autopropulsado russo 2S4 Tyulpan

    Conheça armamentos recordistas da URSS que continuam desafiando o mundo (FOTOS)

    © Sputnik / Kirill Kallinikov
    Defesa
    URL curta
    4242

    Entre os armamentos produzidos na União Soviética estão alguns que se tornaram famosos. Algumas destas armas ainda hoje continuam no serviço no exército da Rússia e de outros países.

    O Livro de Recordes das Forças Armadas da Rússia publicou uma lista dos avanços mais marcantes da indústria militar soviética que até agora não têm análogos.

    O tanque mais popular do século XX

    Foi em 1944 que os engenheiros soviéticos começaram a desenhar o tanque T-54. Os construtores planejavam criar um blindado na base do veículo militar T-44.

    Os autores do projeto conseguiram construir um tanque mais ligeiro e corrigir os defeitos de seu antecessor. A máquina de guerra obteve uma torre com um canhão de 100 mm e duas metralhadoras antiaéreas.

    Tanque T-54 exposto no fórum militar EXÉRCITO 2017
    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Tanque T-54 exposto no fórum militar EXÉRCITO 2017

    O motor permitia alcançar uma velocidade de 50 quilômetros por hora.

    Nos anos posteriores, o tanque foi modificando e a URSS começou a fornecê-lo para outros países membros do Tratado de Varsóvia e para seus aliados no Oriente Médio, enquanto a China obteve uma licença para fabricar este blindado.

    No total, entre os anos 1945 e 1979, foram produzidos cerca de 100 mil carros de combate deste modelo e o T-54 se tornou assim o tanque mais popular da história.

    Devastador morteiro autopropulsado

    O morteiro autopropulsado 2S4 Tyulpan é até hoje uma das armas mais pesadas de sua categoria. A máquina lança projéteis de 130 quilogramas, guiados por laser, sendo capaz também de disparar projéteis nucleares.

    Morteiro autopropulsado 2S4 Tyulpan
    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Morteiro autopropulsado 2S4 Tyulpan

    Graças às suas caraterísticas, a arma virou um sistema verdadeiramente único, sem análogos em nenhum exército do mundo.

    Com grande potência, o morteiro foi desenhado fundamentalmente para atacar instalações fortificadas, construções de engenharia, esconderijos e posto de comando.

    Sistema de artilharia mais potente do mundo

    Uma salva do lança-foguetes reativo BM-30 Smerch é capaz de cobrir uma área gigantesca de 67 hectares, isto é, quase 200 campos de futebol. Para além disso, os projéteis reativos foram construídos de maneira a realizarem golpes de precisão.

    Lança-foguete russo BM-30 Smerch (foto de arquivo)
    © Sputnik / Evgeny Biyatov
    Lança-foguete russo BM-30 Smerch (foto de arquivo)

    No entanto, o Exército da Rússia obteve recentemente novos sistemas, como o Tornado-G, que são até mais potentes. As características exatas do armamento ainda não foram reveladas, mas se prevê que o sistema seja mais preciso e tenha ainda maior alcance que o Smerch.

    Recorde de imersão de submarino atômico

    Em 4 de abril de 1985, os militares soviéticos realizaram uma imersão até à profundidade extrema de 1.027 metros a bordo do submarino K-278 Komsomolets. Desde então, nenhum submarino bateu o recorde.

    A maioria dos submarinos modernos possui uma profundidade de imersão máxima entre 400 e 600 metros. Por exemplo, os submarinos da classe Borei russos e os Virginia norte-americanos podem atingir 480 e 488 metros, respectivamente.

    Submarino soviético K-278 Komsomolets
    Submarino soviético K-278 Komsomolets

    O K-278 Komsomolets era o único submarino do projeto soviético Plavnik. Em 7 de abril de 1989, o submarino sofreu um incêndio que causou a morte de 42 tripulantes. Após a tragédia, a nave se afundou no mar da Noruega.

    Mais:

    Estas são as armas mais potentes da Rússia, afirma Ministério da Defesa
    Jato de fogo mortal: qual é o segredo das munições HEAT
    Tags:
    lançador de foguete, morteiros, submarino, tanque, T-54, K-278 Komsomolets, 2S4 Tyulpan, Smerch, China, Rússia, URSS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik