20:33 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Forças de operações especiais dos EUA (foto de arquivo)

    Nos EUA comparam armamento das forças especiais russas e norte-americanas

    © Foto / Domínio público
    Defesa
    URL curta
    3103
    Nos siga no

    Será que as Forças de Operações Especiais do Exército dos EUA estão perdendo suas vantagens tecnológicas? Esta questão foi estudada por especialistas norte-americanos, que analisaram o estado em que se encontram as forças de operações especiais dos EUA e da Rússia.

    De acordo com o analista da revista The National Interest, o maior avanço tecnológico dos EUA são os sistemas aéreos não tripulados – Unmanned Aircraft Systems. Nos Estados Unidos eles são apelidados de "olhos no céu" por suas capacidades de detectar alvos praticamente a qualquer hora do dia e da noite por meio de seus aparelhos de visão noturna e de termovisores.

    O exército russo também usa ativamente drones, inclusive em operações na Síria, para detectar alvos e ajustar a pontaria para a artilharia, mas os dados obtidos também eram usados para apoiar as forças de operações especiais. O analista destacou que as forças russas usam com mais frequência os drones Orlan-10 e Forpost. O último, segundo a edição, é a versão do IAI Searcher Mk. II, um drone israelense que pode ser considerado o análogo do MQ-1 Predator norte-americano. Contudo, o aparelho russo não porta armas.

    O Orlan-10 é um drone mais leve, seu peso atinge cerca de cinco quilos. Tal como o Forpost, ele é dotado de um aparelho com câmeras e termovisores. Entretanto, os especialistas norte-americanos escrevem que as capacidades do Orlan-10 são mais modestas que as dos veículos aéreos não tripulados pesados.

    Segundo a edição, os aparelhos tecnologicamente mais avançados no arsenal das forças especiais dos EUA são os termovisores miniaturizados e aparelhos aperfeiçoados de visão noturna. Assim, os EUA dispõem do AN/PVS-31 que utiliza fósforo branco em vez do verde. Essa tecnologia permite aumentar a resolução e diminuir o nível de imprecisão da imagem, indica The National Interest.

    Por sua vez, os aparelhos de visão noturna NSPU e 1PN93 russos não empregam a tecnologia de fósforo branco. Os sistemas russos são eficazes, contudo estão mais adaptados para defesa, bem como para monitoramento. De acordo com edição, a Rússia não desenvolve a tecnologia de fósforo branco, já que miras semelhantes estão presentes no novo sistema de soldado do futuro Ratnik.

    Assim, as subunidades das forças especiais da Rússia e dos EUA têm objetivos diferentes. As da Rússia são mais eficazes em defesa e monitoramento, enquanto as Forças de Operações Especiais do Exército dos EUA se mostram melhor em ações ofensivas, ressaltou a edição norte-americana.

    Mais:

    Forças especiais dos EUA: por que Washington envia seus melhores soldados à morte?
    Boinas vermelhas: por que estas forças especiais executam tarefas mais difíceis? (FOTOS)
    Forças especiais da Rússia neutralizam possível ataque do Daesh
    Tags:
    armamento, forças especiais, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar