16:24 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Caça russo Su-35 se apresentando no Dia da Força Aérea na cidade russa de Lipetsk

    Mídia norte-americana: caça russo Su-35 tem 'um grande problema'

    © Sputnik / Artem Zhitenev
    Defesa
    URL curta
    83414

    Apesar da participação em operações militares na Síria, o caça russo Su-35 não teve oportunidade de demonstrar seu potencial, escreve David Majumbar, colunista do The National Interest.

    Ele acredita que a promoção de marketing do Su-35 no mercado é limitada porque o caça "não teve oportunidade de enfrentar outras aeronaves adversárias e demonstrar seu potencial". O autor enfatiza que as operações na Síria são importantes para a indústria de defesa da Rússia.

    "Enquanto aeronaves russas como o Su-30 e o excelente bombardeiro Su-34 tiveram chance de demonstrar suas capacidades no domínio ar-terra, o Su-35 não", escreveu Majumbar.

    "No entanto, o Su-35 é o caça mais potente que a Força Aérea da Rússia tem no momento e oferece boas capacidades por um preço razoável. Ele voa rápido e a grande altitude, tem uma grande carga útil. Isso, combinado com sua aviônica avançada, torna o Su-35 o mais perigoso adversário para qualquer caça ocidental, exceto para o caça de baixa visibilidade F-22 Raptor", observou.

    O autor reconhece que o aumento das vendas do Su-35, "especialmente para aqueles países que não querem ou não podem comprar aeronaves ocidentais", é apenas uma questão de tempo.

    Em junho de 2018, o relatório da United Aircraft Corporation reportou que, futuramente, as aeronaves russas Su-30/35, MiG-29 e Yak-130 estarão entre as líderes de vendas no mercado internacional.

    Mais:

    Caça Su-57 é a melhor alternativa ao F-35 estadunidense para Turquia, diz analista
    Caça F-35 é filmado sobrevoando multidão a poucos metros de altitude (VÍDEO)
    Su-34, caça-bombardeiro russo que apavora OTAN
    Tags:
    potencial, problema, caça, Su-34, Yak-130, MiG-29, F-22 Raptor, Su-35, Força Aérea da Rússia, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik