18:32 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Caça norte-americano F-35 cumprindo missão

    Washington aconselha Alemanha: Comprem F-35 ou não poderão bombardear a Rússia

    CC BY 2.0 / Forsvarsdepartementet / Lockheed Martins F-35
    Defesa
    URL curta
    22930

    A intenção da Alemanha de certificar seus caças Eurofighter para carregar armas nucleares não agradou muito aos EUA, que falam sobre a incapacidade dos aviões europeus de alcançar as cidades russas com bombas atômicas norte-americanas, algo que os F-35, supostamente, podem fazer.

    A Alemanha solicitou formalmente aos EUA a certificação dos Eurofighter Typhoon para transportar bombas atômicas B-61, instaladas na Europa no âmbito da partilha de armas nucleares da OTAN na Europa.

    Os aviões certificados existentes, os Panavia Tornado da época da Guerra Fria, estão a caminho da obsolescência e, até 2025, devem ser retirados de serviço. Até lá, a Força Aérea da Alemanha precisa de aeronaves para os substituir, diz Zachary Keck em seu artigo para a revista The National Interest.

    A Alemanha está estudando quatro opções para manter sua capacidade de realizar ataques nucleares, explicou Keck: os F-35A, os F-15, os F/A-18E/F (todos norte-americanos) e um Eurofighter modernizado.

    Os F-35 já estão em processo de certificação tendo em consideração que os EUA e alguns aliados europeus já tomaram a decisão de dotá-los com capacidade nuclear, enquanto os F-15 e F/A-18 já foram certificados há anos. Assim, o Eurofighter europeu é o único que não tem essa capacidade, comentou o autor.

    "Enquanto os Eurofighters poderiam ser certamente modificados para carregar as bombas B-61, há grandes dúvidas sobre se estes caças seriam capazes de sobreviver a uma missão nuclear contra a Rússia, face às crescentes capacidades antiaéreas de Moscou", advertiu Keck.

    Para apoiar esse argumento, Keck citou alguns especialistas militares norte-americanos que confirmam as "preocupações" sobre a capacidade limitada dos pilotos alemães de "penetrar as defesas antiaéreas russas" usando os Eurofighter da geração 4+.

    Segundo eles, "a ameaça de detenção nuclear deve ser credível desde o início do conflito, e não depois que as defesas antiaéreas russas tenham sido usadas".

    O autor lembrou que a excessiva promoção da compra dos F-35 em vez dos Eurofighter custou ao general alemão Karl Muellner seu cargo de chefe da Luftwaffe, a Força Aérea alemã.

    De qualquer modo, se a análise de Zachary Keck pode servir de referência para conhecer as opiniões de outros especialistas, é possível antever dois cenários possíveis, um muito pior que o outro.

    Ou os EUA procuram vender seus caças à Europa para alimentar sua economia (e é por isso que continuam a insistir na "ameaça russa" aos países aliados), ou tudo isso faz parte dos preparativos para dotar a OTAN com o maior número possível de aviões capazes — suposta e erradamente — de realizar um ataque nuclear contra a Rússia. Se for este o caso, oxalá se trate de um bom marketing.

    Mais:

    EUA querem 'punir' Turquia, diz especialista sobre situação dos F-35
    Lockheed Martin entrega 300º caça F-35 aos militares dos EUA após anos de obstáculos
    Tags:
    aviação militar, caça, Typhoon, F-35, The National Interest, Europa, Alemanha, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik