22:14 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Novo submarino não tripulado estadunidense Sea Hunter

    Futura frota americana contará com navios de combate não tripulados

    CC BY 2.0 / Oficina de Investigação Naval
    Defesa
    URL curta
    122

    A futura frota de navios de guerra da Marinha americana contará com navios não tripulados e opcionalmente não tripulados, disse recentemente um alto funcionários dos EUA.

    A incorporação de navios deste tipo na Marinha já é uma certeza, mas ainda não está claro quando a medida será aplicada. Trata-se em particular do programa dos chamados "futuros combatentes de superfície".

    Segundo comentou o comandante, os navios não tripulados podem distribuir as capacidades da Marinha dos EUA por uma maior área geográfica e por um custo menor que os navios tripulados.

    Navios não tripulados e opcionalmente tripulados proporcionam maior impacto para a força integrada quando fornecem uma "capacidade de detecção distribuída" em comparação com a navegação em áreas disputadas como um sistema armado, afirmou o comandante Kyle Gannt na terça-feira a USNI News. Além disso, enviar navios tripulados a certas missões implica o risco de perder marinheiros em combate, acrescenta o militar.

    Na opinião dele, veículos aéreos de controle remoto e veículos não tripulados submarinos têm algumas vantagens comparados com os navios de superfície não tripulados. Os drones podem voar rápido e são difíceis de capturar, enquanto os drones submarinos "são muito difíceis de serem detectados", comentou Gannt.

    Entre os primeiros veículos deste tipo a serem incorporados na Marinha americana podem estar o navio não tripulado da empresa Textron e o navio não tripulado autônomo Sea Hunter (Caçador Marítimo).

    Mais:

    EUA inventam novo meio de dissuadir Índia de comprar sistema antiaéreo russo S-400
    Exército norte-americano será equipado com fuzis de paintball
    Tags:
    não tripulado, drones, frota, navios, Marinha dos EUA, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik