11:46 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Um tanque soviético T-72 que participou de uma das fases do Rembat 2017 em Omsk

    Polônia reincorpora tanques soviéticos T-72 no exército

    © Sputnik / Ekaterina Nenakhova
    Defesa
    URL curta
    0 511

    A Polônia reintroduz os tanques soviéticos T-72 no serviço de seu exército, informa o diário Rzeczpospolita.

    Segundo a edição, várias dezenas de velhos tanques T-72 da época soviética vão ficar no país. O autor nota que, após modernização, o veículo blindado provavelmente voltará ao serviço.

    O diretor da Agência do Patrimônio Militar, Krzysztof Falkowski, confirmou a informação apenas indiretamente. Ele contou que o acordo com um dos países da África do Norte foi suspenso.

    O exército da Polônia está equipado com tanques PT-91 Twardy de produção nacional, bem como Leopard 2A5 e Leopard 2A4 fabricados na Alemanha.

    O especialista em defesa, Wojciech Luczak, opina que a decisão de reaver os tanques T-72 para serviço está ligado ao aumento do número de soldados no exército.

    Conforme ele, agora a Polônia não tem capacidades para equipar as novas brigadas de blindados com material militar rapidamente e sem grandes despesas.

    Também o ministro da Defesa polonês, Mariusz Blaszczak, declarou ontem (21) que a Polônia está corrigindo seus planos de reequipamento das Forças Armadas levando em conta a "ameaça russa".

    Conforme ele, em particular, vai mudar o programa das compras de helicópteros, acrescentando o ministro que atualmente a prioridade para a Polônia é "a compra de helicópteros para a luta contra submarinos", e que dentro de alguns meses será anunciado o concurso para compra de novos helicópteros de combate.

    Mais:

    OTAN pretende neutralizar 'ameaça russa' com arma fabricada na Rússia? (FOTO)
    Ucrânia pode criar 'concorrente' ao poderoso tanque russo Armata (FOTO)
    Afinal, de onde vem a verdadeira ameaça à Rússia? Analista explica
    Tags:
    exército, tanque, T-72, Rússia, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik