19:02 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    O porta-aviões nuclear norte-americano USS Carl Vinson da classe Nimitz (foto de arquivo)

    Afinal, de onde vem a verdadeira ameaça à Rússia? Analista explica

    © REUTERS / Yonhap
    Defesa
    URL curta
    7164

    É pouco provável que os Estados Unidos envolvam seus porta-aviões em caso de agressão militar contra a Rússia na região de Kaliningrado, porque o agrupamento das Forças Armadas da Rússia no enclave garante a sua destruição.

    A verdadeira ameaça a Moscou vem do flanco oriental da OTAN – dos países bálticos e da Polônia, disse nesta quarta-feira (20) o analista militar Viktor Murakhovsky.

    Essa é a sua opinião em relação à publicação da revista norte-americana The National Interest, que reportou que os porta-aviões classe Nimitz e Ford dos EUA são demasiado volumosos para cumprirem tarefas no mar Báltico e serão alvos fáceis para os mísseis russos Oniks. Anteriormente, a revista descreveu a região russa de Kaliningrado como "armada até os dentes" e o pior pesadelo da OTAN.

    "Em geral, essa publicação avaliou adequadamente o equilíbrio das forças na região de Kaliningrado. No entanto, os Estados Unidos não vão mandar para lá um porta-aviões, porque isso significaria a destruição certa para ele e todo seu agrupamento aeronaval", explicou o analista.

    Ele lembrou que há armas modernas na região de Kaliningrado, como o sistema de mísseis balísticos táticos Iskander-M. Além dos sistemas de defesa antiaérea S-400 mencionados na mídia norte-americana, as forças da Rússia também dispõem no enclave de sistemas de defesa antiaérea Buk-M3. Portanto, uma defesa antiaérea complexa está em prontidão perto de Kaliningrado.

    O analista enfatizou que a verdadeira ameaça à segurança da Rússia vem dos países bálticos e da Polônia, onde os Estados Unidos implantaram recentemente tanques e aviões e têm modernizado ativamente a infraestrutura local para fins militares.

    "A verdadeira ameaça vem de outra direção – do flanco oriental da OTAN. Os Estados Unidos já implantaram suas aeronaves de combate na Estônia e Lituânia, além de estarem preparando infraestruturas, com centros de comunicação, quartéis-generais, armazéns, e modernizando os portos e ferrovias para circulação de grandes quantidades de tropas. Na Polônia foi estacionada uma brigada de tanques das Forças Armadas dos EUA", concluiu Murakhovsky.

    Mais:

    EUA não estão errados sobre inquestionáveis capacidades militares da Rússia, diz analista
    Erdogan: Turquia usará sistemas de defesa aérea S-400 russos se for necessário
    Mísseis russos em Kaliningrado: resposta simétrica à OTAN?
    Tags:
    ameaça, porta-aviões, Oniks, S-400, Buk-M3, Iskander-M, Forças Armadas dos EUA, Lituânia, Estônia, Kaliningrado, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik