11:43 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Portal para o complexo dentro do Monte Cheyenne, Colorado

    Top secret: conheça 5 bases militares mais misteriosas do planeta (FOTOS)

    © AP Photo / David Zalubowski
    Defesa
    URL curta
    2164

    O nosso planeta tem toda uma rede de instalações militares que parecem comuns, mas que na verdade poucos conhecem. A estas bases são dedicados livros, filmes e até videogames, mas ninguém sabe o que acontece nelas na verdade.

    Em seu artigo para a Sputnik, o analista militar Andrei Kots derrama luz sobre algumas destas instalações misteriosas.

    Base Naval de Guantánamo

    A base norte-americana situada na baía de Guantánamo, em Cuba, tem mais de cem anos, ocupando uma área de 117 quilômetros quadrados. O porto da base abriga até 50 grandes navios de guerra, incluindo porta-aviões, enquanto seu contingente atinge 10 mil militares. Para instalar todos os militares, os EUA construíram uma cidade que conta com todas as condições necessárias.

    No entanto, a instalação militar ganhou má fama pela prisão homônima que se encontra em seu território. Desde 2002, os Estados Unidos têm mantido aqui mais de mil prisioneiros acusados de terrorismo e presos sem julgamento. Na mídia circulam regularmente rumores sobre as condições desumanas em que os prisioneiros vivem e as torturas que sofrem.

    Prisioneiros no Campo X-Ray, na base naval de Guantánamo, Cuba
    © AFP 2018 / Shane T. McCoy
    Prisioneiros no Campo X-Ray, na base naval de Guantánamo, Cuba

    Kots recorda que me 2009, o então presidente Barack Obama assinou um decreto para fechar a prisão, mas esta continua funcionando até hoje. De acordo com as organizações de direitos humanos, na prisão são hoje mantidos cerca de 40 prisioneiros, detalha o analista.

    Base naval de Yulin

    A informação sobre a existência desta base na costa da ilha de Hainan, China, apareceu há pouco tempo. Em 2008, a inteligência norte-americana publicou imagens de satélite mostrando que o exército chinês havia criado na ilha uma grande instalação, que faz parte do componente naval das forças de dissuasão nuclear da China.

    De acordo com as imagens, na base podem ser deslocados até 20 submarinos equipados com mísseis balísticos intercontinentais, assim como dois grupos navais de porta-aviões.

    "Esta base, criada secretamente durante um prazo curto, é muito importante para a defesa da China. Os submarinos que se escondem em suas águas são capazes de sobreviver a um potente ataque nuclear, sair despercebidos de seu porto e atacar o inimigo. Até agora não se sabe quantas saídas tem a base, nem se sabe como é o seu interior. Mais ainda: não se conhece se a China tem outras bases semelhantes", comentou o analista.

     Base naval chinesa de Yulin, na ilha de Hainan
    Base naval chinesa de Yulin, na ilha de Hainan

    Base de Cheyenne Mountain

    A montanha Cheyenne, de três mil metros de altitude e localizada nos arredores da cidade de Colorado Springs, é considerada o coração da segurança nacional dos EUA, abrigando o complexo subterrâneo NORAD — Centro de Comando Conjunto da Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte, englobando a estrutura dos EUA e do Canadá.

    "Em caso de uma guerra nuclear, a administração política e militar controlará as tropas precisamente deste bunker na montanha Cheyenne", sublinha Kots.

    A construção da base começou em 1961, quando foi criado um sistema cavernas artificiais no interior da montanha. Aqui, três túneis de 180 metros de comprimento, 15 metros de largura e 20 metros de altura se cruzam com outros quatro túneis de 100 metros de comprimento, 10 metros de largura e 17 de altura. No total, todos estes túneis formam uma estrutura parecida com uma grade com 15 construções metálicas, 12 das quais semelhantes a edifícios de três andares.

    Segundo o colunista, todas as instalações são constituídas por meio de suportes especiais semelhantes a amortecedores, fazendo com que o complexo seja resistente a sismos e consequências de um possível ataque nuclear.

    Olavsvern

    A base naval norueguesa foi construída durante a Guerra Fria a 15 km ao sul da cidade de Tromso. A instalação ocupa um território de 25 mil quilômetro quadrados.

    Na época da Guerra Fria, o complexo foi utilizado principalmente por submarinos norte-americanos que patrulhavam o oceano Ártico e vigiavam desde lá as atividades dos submarinos soviéticos.

    Após o colapso da URSS, a base permaneceu inativa até 2011, quando foi adquirida pelo empreendedor Gunnar Vilhelmsen e transformada para abrigar navios de investigação científica da Rússia.

    Área 51

    A lendária base pertencente à Força Aérea dos EUA, situada no estado de Nevada, muitas vezes foi no centro de filmes de ficção.

    Várias teorias de conspiração afirmando que nesta base os militares estadunidenses estudavam OVNIs, cultivavam vírus e realizavam experimentos genéticos obrigaram o Pentágono a revelar alguns detalhes sobre a instalação.

    Imagem de satélite da Área 51
    Imagem de satélite da Área 51

    Segundo os dados oficiais, os norte-americanos desenvolvem na Área 51 aeronaves e sistemas de armas experimentais. Na base foram ensaiados tais aviões como o Lockheed U2, A-12, SR-71 e os F-117 Nighthawk. A forma incomum triangular da fuselagem destes aviões furtivos poderia ter contribuído para que algumas testemunhas de seus voos os confundissem com OVNIs.

    "Algumas fontes apontam que atualmente [os militares norte-americanos] se dedicam na base a desenvolver o avião de reconhecimento invisível e supersecreto SR-91 Aurora. Como relata a mídia dos EUA, esta aeronave é capaz de alcançar uma velocidade de até 20 km/h, mas o Pentágono ainda não confirmou esta informação", sublinhou Kots. 

    Mais:

    Imprensa desvenda última provocação da OTAN em relação à Rússia
    OTAN se prepara para maiores exercícios militares desde 2002
    Símbolo obsceno aparece sobre base militar nos EUA (FOTO)
    Tags:
    segredo, mistério, instalações militares, base militar, Pentágono, Forças Armadas dos EUA, Noruega, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik