01:30 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Caça F-35 da Força Aérea dos Estados Unidos, foto de arquivo

    Lockheed Martin entrega 300º caça F-35 aos militares dos EUA após anos de obstáculos

    © AP Photo / Rick Bowmer
    Defesa
    URL curta
    363

    A construtora de aeronaves estadunidense Lockheed Martin produziu e entregou o 300º caça F-35 às Forças Armadas dos EUA, informou a empresa na segunda-feira, uns meses após o Pentágono ter suspendido a aceitação dos aviões.

    Em abril, o Departamento de Defesa dos EUA deixou de aceitar caças F-35 devido a uma disputa financeira. Em particular, a Lockheed Martin e o Pentágono não chegaram a acordo sobre quem deveria pagar os custos de uma falha na linha de produção. Por causa desta última, aviões de quinta geração saiam da linha de montagem com problemas de corrosão nos painéis exteriores.

    O problema foi resolvido apenas em março, quando o Pentágono reautorizou as entregas da aeronave.

    A construtora levou mais de sete anos para produzir 300 aviões F-35, cujo projeto ao longo dos anos tem sido chamado de controverso e caro.

    A atual velocidade de produção da empresa é de sete a nove aeronaves por mês, mas a Lockheed Martin espera aumentá-la até 12 a 15 aviões por mês nos próximos anos, segundo informou anteriormente o vice-almirante Mat Winter, da Marinha dos EUA.

    Anteriormente, o militar já expressou descontentamento com o modo de a Lockheed Martin negociar, em particular com preços bastante altos e falta de colaboração.

    "Poderíamos ter firmado este acordo mais rápido […] Eles escolheram não fazer isso, é uma tática de negociação", disse Winter à revista MilitaryWatch, sublinhando que a empresa não presta detalhes suficientes sobre o custo de produção de cada avião.

    Mais:

    Análise: F-35 falhou em se tornar 'estrela' e jamais se tornará
    Especialista revela verdadeiro objetivo da pressão dos EUA contra Turquia sobre F-35
    Tags:
    caças, armas, F-35, Pentágono, Lockheed Martin, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik