04:24 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Reservistas suecos

    Suécia mobiliza todos os seus reservistas pela primeira vez em 40 anos

    © REUTERS / Jonas Ekstromer
    Defesa
    URL curta
    466

    A Suécia convocou 22 mil reservistas da Guarda Nacional - um corpo permanente de reservistas voluntários - pela primeira vez em mais de quatro décadas, informou o portal oficial do Ministério da Defesa escandinavo.

    Os reservistas suecos dos 40 batalhões participaram de uma manobra militar de larga escala que visava fortalecer a capacidade operacional e defensiva do país, segundo o Comandante Supremo Micael Byden.

    "Estamos ensaiando a cadeia de mobilização da nossa organização, algo que não fazemos desde 1975", explicou o militar.

    A principal função da Guarda Nacional é realizar tarefas militares secundárias, como monitorar infraestruturas importantes ou patrulhar as ruas. O comandante da instituição, o major-general Roland Ekenberg, comemorou os resultados. "Sinto respeito pelas pessoas que voluntariamente escolheram participar deste exercício", afirmou.

    Durante a simulação, que coincidiu com o Dia Nacional da Suécia, os voluntários realizaram trabalhos de patrulha, vigilância e proteção nas ruas e aeroportos do país.

    As manobras fazem parte de uma série de medidas aprovadas pela Suécia — um país neutro associado à OTAN — após o aumento das tensões no Báltico, na esteira da guerra no leste da Ucrânia. Estas medidas incluem também a restauração do serviço militar obrigatório no país e o consentimento para operações de tropas da OTAN em território sueco.

    Mais:

    Treinamentos marítimos russos se tornam 'brincadeira nacional' da Suécia, diz analista
    Suécia tem algo a esconder quanto à guerra no Iêmen?
    'Inaceitável' Suécia refuta declaração da Rússia sobre substância química Novichok
    'Bicho papão russo': Suécia quer duplicar gastos militares até 2035 com defesa
    Suécia está considerando aumentar orçamento militar em 40% para criar exército 'perigoso'
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik