07:21 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Módulo roborizado de alta precisão AU-220M, conhecido como Baikal

    Exército russo terá em breve módulo robotizado de alta precisão (VÍDEO)

    CC BY-SA 4.0 / Wikipedia
    Defesa
    URL curta
    2240

    A poderosa arma de controle remoto possui enorme precisão e pode ser instalada em qualquer veículo moderno, seja terrestre ou naval.

    A empresa fabricante de tanques russa UVZ (UralVagonZavod) publicou um vídeo sobre o projeto do módulo de combate robotizado Baikal.

    O módulo é também designado como AU-220M e foi apresentado em 2015.

    Consiste em uma torre de controle remoto equipada com um moderno canhão de 57 milímetros com vários tipos de munições, incluindo guiadas, e uma metralhadora de 7,62 milímetros de calibre.

    A principal peculiaridade é o controle remoto da torre. A tripulação do blindado não precisa estar presente na torre (o alvo mais provável de ataques), sendo o controle dos armamentos efetuado a partir da parte interior protegida e até mesmo de fora do veículo.

    Além disso, o novo módulo possui sofisticados sistemas de estabilização e pontaria, o que permite disparar com alta precisão em quaisquer condições climáticas, mesmo à noite ou em pleno andamento.

    O módulo AU-220M será apto a instalar em todos os futuros veículos blindados russos, seja a plataforma Armata, Kurganets-25 ou Boomerang, além do próprio BMP-3 e do BMPT Terminator.

    Também é possível instalar o sistema em navios de guerra e até em navios militares pesados.

    Mais:

    Mídia ocidental teme a 'arma do Juízo Final' russa
    OTAN está preocupada com modernização de arma nuclear russa
    Frota do Norte da Marinha russa testa arma antiaérea fabricada em 1927
    Pentágono reconhece impotência dos EUA frente a arma hipersônica russa
    Embaixador iraquiano: arma russa ajudou a vencer Daesh
    Especialista militar fala sobre 'arma perfeita russa'
    Tags:
    veículos blindados, controle remoto, arma, robô de combate, Exército da Rússia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik