06:48 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Caça F-35 (foto de arquivo)

    Estaria Israel tentando esconder da Turquia 'capacidades melhoradas' do F-35?

    © AP Photo / Rick Bowmer
    Defesa
    URL curta
    10174

    Israel e Estados Unidos estão realizando negociações sobre entrega de caças furtivos à Turquia em meio à incerteza sobre o destino dos fornecimentos dos EUA, informa o diário Haaretz.

    De acordo com um alto funcionário israelense na área de defesa, Israel planeja ser o único país na região a possuir caças F-35 para manter a supremacia qualitativa. Israel e os EUA teriam também discutido sobre o software aperfeiçoado do caça, segundo confirmaram fontes, que preferiram manter anonimato, ao jornal. No entanto, Israel negou ter participado de conversações sobre o acordo de fornecimento de 100 caças furtivos à Turquia.

    A Força Aérea de Israel deve receber o software para aumentar as capacidades do avião em julho. Por sua vez, Tel Aviv estaria preocupada que a Turquia também o obtenha e estaria discutindo a possibilidade de fornecimento de caças a Ancara sem a atualização do software.

    O acordo recebeu críticas do Congresso norte-americano, com vários legisladores pedindo cancelamento da venda de mais de 100 caças.

    "A nossa preocupação é que a Turquia está passando por uma transição dramática como país. A Turquia passou por um longo caminho para ser um aliado da OTAN e um parceiro importante na luta antiterrorista, até a situação de hoje, em que está usando um cidadão norte-americano como um instrumento de negociação. Não é uma conduta de um aliado", declarou ao diário o senador James Lankford, tendo em vista o pastor Andrew Brunson, que está em custódia na Turquia desde o ano passado.

    De acordo com Lankford, o incidente evidencia que a Turquia se mostra menos confiável como parceiro dos EUA, sugerindo ser melhor não fornecer a tecnologia para ela.

    "A minha preocupação é que eles [Turquia] são aliados da OTAN, eles têm sido bons parceiros por anos, mas se não sabemos como será o país daqui a alguns anos, deveríamos guardar estes recursos deles", frisou Lankford.

    O senador continuou dizendo que os EUA não têm "hesitações com Israel. Quando damos F-35 ou outro equipamento militar para eles, sabemos como eles vão usá-los. Sabemos o que vão e não vão fazer. Não estou certo de que possamos dizer o mesmo sobre a Turquia".

    Lankford acrescentou que os desacordos recentes entre a Turquia e os EUA sobre a política externa devem induzir os EUA a "fazerem uma pausa" e a reconsiderarem o acordo sobre os F-35, não esquecendo outras formas de cooperação militar. A embaixada de Israel em Washington ainda há de comentar o assunto.

    "Ninguém aqui tem nenhuma dúvida de que Israel prefere permanecer sendo o único país na região que possui estas capacidades de ataque. Os israelenses sabem como deixar isso claro com seus próprios meios", concluiu Lankford.

    Na semana passada, a Força Aérea de Israel declarou ter se tornado o primeiro país do mundo a realizar ataque com caças F-35.

    No início de maio, o congressista David Cicilline propôs uma lei na Câmara dos Representantes para proibir a venda de caças à Turquia, referindo-se a uma "conduta violenta e repreensível".

    A mídia turca Yeni Safak relatou sobre possível entrega de caças russos Su-57 caso Washington decida suspender os fornecimentos de F-35 em resposta às compras de mísseis russos S-400.

    Mais:

    Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar
    Caças estadunidenses F-35 teriam iludido mísseis russos S-300 na Síria
    Mídia: F-22 perde vantagem sobre caças russos
    Tags:
    secreto, tecnologia, caça, F-35, Rússia, EUA, Turquia, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik