00:19 28 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Fuzileiros navais dos EUA na Noruega participam dos exercícios Cold Response

    Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA reconhece ser vulnerável perante Rússia

    CC0 / Departamento de Defesa dos EUA
    Defesa
    URL curta
    16313

    As forças de desdobramento avançado do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA que, segundo se considerou durante várias décadas, se encontravam em segurança, agora se encontram em uma posição vulnerável, declarou em audições no Senado o comandante do corpo, general Robert Neller.

    "O desenvolvimento de armas de alta precisão de longo alcance pelos nossos rivais principais — China, Rússia, Coreia do Norte, Irã e organizações extremistas — tornou vulneráveis muitas forças de desdobramento avançado dos EUA", ressaltou no seu discurso.

    O general notou que a maioria das bases dos fuzileiros navais no exterior não estão suficientemente protegidas de ataques, o que mina a sua capacidade de preparar e efetuar operações militares.

    "Temos que reforçar adicionalmente essas bases, incluindo os hangares e postos de comando. É necessário ampliar as possibilidades de conserto rápido das bases aéreas e aperfeiçoar os meios de defesa antiaérea", declarou o general.

    Os EUA já não podem seguir conceitos militares baseados no controle indiscutível do mar, resumiu Neller.

    Mais cedo, o chefe do Comando Estratégico do Pentágono, general John Hyten, afirmou que os militares norte-americanos observaram como a Rússia e China testam seus diversos mísseis.

    "Vocês devem acreditar nas declarações do [presidente russo] Vladimir Putin sobre aquilo em que ele está trabalhando", ressaltou o general.

    Mais:

    'Calcanhar de Aquiles': Estados Unidos encontram problema em helicópteros militares Apache
    Flexíveis e ágeis: EUA desenvolvem robôs lulas 'capazes de se multiplicar'
    Trump quer substituir exército dos EUA por tropas árabes na Síria
    Tags:
    ataques, armas de alta precisão, Pentágono, John Hyten, Vladimir Putin, Irã, Coreia do Norte, China, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik