22:18 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    O helicóptero norte-americano AH-64 Apache

    'Calcanhar de Aquiles': Estados Unidos encontram problema em helicópteros militares Apache

    © AFP 2018 / Jung Yeon-Je
    Defesa
    URL curta
    7113

    O Exército dos EUA suspendeu as entregas dos helicópteros de combate AH-64E Apache devido à má qualidade de um dos componentes-chave da aeronave, informa a revista Defense News.

    Segundo a mídia, os militares norte-americanos põem em dúvida a durabilidade de uma porca de empanque do helicóptero.

    "Deixamos de aceitar a entrega dos novos AH-64E devido a uma porca de empanque que consideramos muito suspeita", declarou à mídia o general de brigada Thomas Todd.

    O militar sublinhou que os especialistas do exército "não estão satisfeitos" com o funcionamento da porca em ambiente costeiro. Além disso, descobriram sinais de corrosão na superfície da peça.

    Todd afirmou que o exército não voltará a aceitar entregas dos Apache até a Boeing fabricar uma porca de empanque mais avançada e segura. Está previsto que as provas da nova porca se realizem no verão.

    Por sua vez, uma fonte da Boeing declarou à edição que "nossa prioridade é a segurança dos soldados e a segurança dos nossos produtos". Ela indicou que o fabricante continuará colaborando com o exército dos EUA.

    O helicóptero de assalto AH-64 Apache está equipado com um canhão automático M230 de 30 milímetros e uma combinação de mísseis antitanque AGM-114 Hellfire e projéteis Hydra 70. Entretanto, pode portar mísseis antiaéreos AIM-92 Stringer e AIM-9 Sidewinder. O Apache é o principal helicóptero de ataque do Exército dos EUA.

    Mais:

    Espanha obtém sinal verde para comprar helicópteros cargueiros dos EUA por US$ 1,3 bilhão
    Helicópteros da coalizão dos EUA teriam evacuado chefes do Daesh na Síria
    Novo helicóptero de transporte militar dos EUA levanta carga de 16 toneladas (VÍDEO)
    Tags:
    problema, helicóptero, militares, exército, Apache AH-64, Boeing, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik