08:11 23 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Mísseis de cruzeiro AGM-158 JASSM são lançados dirante as manobras da Força Aérea dos EUA (foto de arquivo)

    Mísseis lançados por americanos contra governo de Assad não eram utilizados há 10 anos

    © AFP 2018 / Força Aérea dos EUA
    Defesa
    URL curta
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (88)
    23437

    Ao atacarem estruturas civis e militares sírias, os EUA usaram os mísseis de cruzeiro AGM-158 JASSM pela primeira vez em um combate real.

    Assim, a edição The Drive recebeu uma foto em que se veem vários mísseis deste tipo carregados em um caça-bombardeiro estratégico B-1B que participou do ataque.

    "Esta missão significa o primeiro caso de uso militar desta arma", explicam os autores do portal.

    Não foi comunicado a nível oficial de onde saíram estes aviões B-1B, mas a emissora CNN escreve que em abril eles tinham sido flagrados na base Al-Udeid, no Qatar.

    Além da aviação estratégica, os militares norte-americanos usaram navios equipados com mísseis de cruzeiro Tomahawk. O Reino Unido usou aviões Tornado e a França envolveu sua força naval, caças Rafale e Mirage, bem como aviões de reabastecimento e "radares voadores".

    Os mísseis AGM-158 JASSM estão em serviço do exército estadunidense desde 2009, eles também foram exportados para a Austrália, a Polônia e a Finlândia. Estas armas podem ser transportadas tanto por bombardeiros norte-americanos, como pelos caças F-15, F-16 e F/A-18.

    O alcance de tal míssil atinge 370 quilômetros, enquanto sua versão avançada pode voar até 1.000 quilômetros.

    Tema:
    EUA e aliados efetuam ataque de mísseis contra Síria (88)

    Mais:

    Vida em Damasco segue como de costume, sírios fazem chacota de Trump (FOTOS)
    Pentágono divulga VÍDEOS dos Tomahawks sendo lançados contra Síria
    Deputado russo: Rússia deve vender sistemas S-300 para Síria, Irã e Coreia do Norte
    Tags:
    mísseis de cruzeiro, B-1B, Rafale, Força Aérea dos EUA, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik