12:50 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Submarino nuclear do projeto 667BDRM Yuri Dolgoruky no estaleiro de Gadzhievo na região de Murmansk

    'Ártico está se tornando quente': Rússia posiciona divisão de águas profundas na zona

    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Defesa
    URL curta
    7231

    Em meio à competição crescente pelas riquezas minerais do Ártico, a Frota do Norte russa está virando fundamental para garantir a segurança nacional e os interesses econômicos do país no Extremo Norte.

    A recém-criada divisão, que agora faz parte da Frota do Norte da Rússia, inclui estações nucleares de pequeno porte, submarinos movidos a energia nuclear e um grande número de unidades submarinas robóticas, informou nesta terça-feira (10) o jornal Izvestiya, citando fontes do comando naval russo.

    Com a implantação de novas tecnologias, a 29ª brigada submarina, baseada em Gadzhievo, na região russa de Murmansk, foi "transformada" em uma divisão completa em janeiro de 2018.

    De acordo com as informações disponíveis publicamente, no momento a divisão possui uma série de estações nucleares de águas profundas do projeto de 1910 Cachalot, Paltus e Kalitka [mais conhecido como Losharik], bem como o submarino nuclear Podmoskovie convertido para transportar estações nucleares de águas profundas.

    Além da sua aplicação militar, a divisão submarina também pode ser usada para fins civis, incluindo para prospecção da plataforma continental do Ártico.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista militar e capitão-de-mar-e-guerra na reserva Vasily Dandykin comentou que a criação da divisão de águas profundas foi estipulada pela situação estratégica militar e econômica do Ártico.

    "No momento os submarinos norte-americanos estão intensificando sua presença, sendo que sua meta principal é impedir a atividade de nossos submarinos nucleares debaixo do gelo ártico. A divisão foi criada para provar que não estamos indefesos e que as ações irresponsáveis dos submarinos norte-americanos receberão uma resposta adequada", assinalou o analista.

    "A divisão é uma unidade única que não possui análogos em outras marinhas do mundo. Essa unidade é capaz de cumprir missões não somente locais, mas também estratégicas […] Estudos civis são tarefas secundárias que são importantes para a Passagem do Nordeste, portos e prospecção de recursos minerais", explicou Dandykin.

    "Já por mais de uma vez foi repetido que o Ártico não é somente da Rússia e que a zona pertence a toda a humanidade. A marinha norte-americana intensificou sua atividade, o Canadá está desenvolvendo tropas árticas, a Noruega também se está envolvendo. Até mesmo países não árticos estão tomando medidas para desenvolver suas frotas de quebra-gelos. A zona fria do Ártico está se transformando em uma zona verdadeiramente quente. Para garantir sua segurança, a Rússia está intensificando sua presença terrestre, marítima e aérea'", concluiu o especialista.

    Mais:

    Mudança do clima pode 'despertar' antraz dos cemitérios do Ártico e Sibéria
    Nesta semana 3º submarino emerge do gelo no Ártico, mas desta vez não é americano (VÍDEO)
    2 submarinos estadunidenses emergem do gelo no Ártico (FOTOS)
    Tags:
    posicionamento, divisão, Ártico, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik