15:44 26 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Peça de artilharia autopropulsada Gvozdika

    Exército estadunidense confessa que vantagem teria Rússia em possível conflito militar

    © Sputnik / Vitaly Ankov
    Defesa
    URL curta
    839

    Os militares norte-americanos estão planejando empreender medidas para aumentar o alcance de seus sistemas de mísseis e de artilharia, pois nas primeiras semanas de um hipotético conflito militar com a Rússia eles ficariam sem apoio aéreo, comunica uma edição estadunidense.

    Deste modo, nos primeiros 7-10 dias de uma potencial guerra, as tropas russas "teriam uma vantagem séria em número e nas ações militares no terreno", escreve o portal Military.com, citando uma pesquisa do centro analítico Rand Corporation.

    "Pela potência e alcance dos sistemas russos de defesa antiaérea, todos os nossos meios de apoio aéreo ficariam seriamente comprometidos, e as tropas no terreno sentiriam as consequências disso", explicou um colaborador do Rand Corporation, John Gordon.

    Além disso, o especialista frisou que a Rússia dispõe de uma vantagem em número e alcance dos sistemas de artilharia.

    "Os russos têm uma abordagem muito séria em relação a isso: a artilharia sempre foi um ponto forte do exército russo ainda na época dos czares", sublinhou.

    Por causa disso, o comando das Forças Armadas dos EUA está empreendendo medidas para aperfeiçoar os sistemas de mísseis e artilharia, por exemplo, o obuseiro autopropulsado M-109 Paladin.

    "Devemos aumentar o alcance de todos os sistemas que estamos desenvolvendo […] e alcançar a supremacia sobre o nosso inimigo neste sentido", enfatizou, por sua vez, o comandante das tropas estadunidenses no Pacífico, Robert Brown.

    Mais:

    Amedrontando adversários: EUA mostram guerra do futuro (VÍDEO)
    Como humanidade conseguirá sobreviver à 3ª Guerra Mundial?
    Trump expressa apoio ao Reino Unido em 'guerra' contra a Rússia
    Tags:
    conflito armado, artilharia, Paladino M109, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik