08:38 19 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Soldados russos marcham em ensaio para a parada do Dia da Vitória

    Rússia comprova que pode criar arma mais avançada do mundo, diz analista

    © AFP 2018 / KIRILL ZYKOV
    Defesa
    URL curta
    19297

    As mídias norte-americanas listaram os países que terão os exércitos mais poderosos no futuro. Segundo especialista russo em assuntos políticos, Vladimir Olenchenko, essa publicação "multifuncional" tem como foco imediato vários objetivos.

    Os Estados Unidos, Rússia, França, Índia e China terão os exércitos terrestres mais poderosos do mundo até o ano de 2030, escreve Robert Farley, especialista militar, em seu artigo para o jornal The National Interest.

    Segundo ele, o exército dos EUA continuará sendo "padrão de ouro" mundial ao longo dos próximos 12 anos. Depois da Guerra Fria, o Pentágono tem acumulado experiência considerável em operações de combate, inclusive no Iraque e no Afeganistão. Ao mesmo tempo, os norte-americanos possuem um orçamento militar significativo, bem como a maior frota mundial de veículos não tripulados capazes de coletar informações precisas e fazer ataques certeiros de alvos.

    Por sua vez, as Forças Armadas da Rússia passaram por um período extremamente difícil depois do colapso da União Soviética, diz o artigo. De acordo com Farley, em virtude do financiamento adequado, o exército russo, em particular suas divisões privilegiadas, renovou-se e agora "ameaça os vizinhos com seu tamanho e treinamento".

    "O exército russo permanecerá como uma força mortal em 2030, no entanto, enfrentará problemas sérios. O acesso à tecnologia pode representar o maior problema no futuro", acredita Farley.

    Em entrevista concedida ao serviço russo da Rádio Sputnik, Vladimir Olenchenko afirma que essa suposição está longe de ser verdade.

    "Acredito que isso é escrito para leitores norte-americanos desinformados, já que a Rússia demonstrou sua capacidade de criar armas que ultrapassam as de outros países. Portanto, dizer que podemos nos distanciar da tecnologia, não é apenas um exagero, mas uma distorção da realidade", frisou Olenchenko.

    O artigo aponta a França como o único país europeu que preservará o poderio de suas forças armadas. A Índia está na retaguarda de seus concorrentes em tecnologias militares, entretanto, não economiza em adquiri-las dos EUA, Rússia e Europa.

    Segundo Fraley, o exército terrestre da China ainda não tem experiência suficiente em combates militares reais. Além disso, ao contrário da aeronáutica e marinha, não dispõe dos recursos financeiros necessários. Ao mesmo tempo, Pequim tem acesso a "efetivo praticamente ilimitado".

    Vladimir Olenchenko supôs como surgiu o artigo.

    "Estou longe de pensar que a publicação nasceu como resultado de alguns esforços intelectuais e emocionais. Provavelmente, o artigo pretendia ser um 'incentivo' que, por um lado, deve justificar novos gastos dos EUA e, por outro, 'empurrar' o conflito entre a Índia e a China. Acho que essa publicação tem um objetivo 'multifuncional'", concluiu Olenchenko.

    Mais:

    Novas armas russas recebem nomes após votação popular
    Pentágono revela quando Rússia superará poder dos EUA na Europa
    Recado para Índia? China ajuda programa de mísseis do Paquistão com sistema avançado
    Tags:
    forças armadas, treinamento militar, tecnologia militar, exército, Guerra Fria, União Soviética, França, Índia, China, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik