17:11 20 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Caça saudita F-15 decola da base militar aérea de Khamis Mushayt, Arábia Saudita, 2015 (foto de arquivo)

    Sob presidência de Trump EUA continuam dominando mercado global de armas

    © AFP 2018 / FAYEZ NURELDINE
    Defesa
    URL curta
    615

    Os EUA continuam dominando o mercado global de armas, informou o Instituto Internacional de Pesquisa sobre a Paz (SIPRI), com sede em Estocolmo.

    Em 2018 as corporações multinacionais públicas de produção de armas dos EUA receberam autorizações do Departamento de Estado para vender armas (bombas, tanques, mísseis, aviões de combate e uma série de outros equipamentos militares) a outros países no valor de mais de 13,4 bilhões de dólares (R$ 43 bilhões). 

    De acordo com um relatório publicado pelo SIPRI, Washington foi responsável por 34% das vendas globais de armas entre 2013 e 2017, mantendo-se no primeiro lugar. A Rússia ocupa o segundo lugar, com 22 por cento das exportações globais de armas no mesmo período, de acordo com os dados do Intercept.

    O forte aumento das exportações do maior produtor de armas do mundo indica uma nova tática da administração do presidente dos EUA Donald Trump. Durante o primeiro ano no cargo, o presidente aprovou mais 5,7 bilhões de dólares (R$ 18 bilhões) de entregas de armas que o presidente dos EUA, Barack Obama, durante seu último ano de presidência.

    As empresas produtoras de armas como a Lockheed Martin, BAE Systems, Boeing Aerospace, Northrop Grumman e General Dynamics mostram um rápido aumento de vendas, ao mesmo tempo que os ganhos dos acionistas atingem níveis recorde.

    Um relatório recente da empresa Security Assistance Monitor observou uma diferença fundamental entre as vendas de armas realizadas pelas administrações de Obama e Trump.

    Durante a administração Obama, os aviões dominavam as exportações norte-americanas de equipamento militar. Mas, no primeiro ano da presidência de Trump, as bombas e mísseis lideraram a lista de exportações.

    Colby Goodman, diretor da Security Assistance Monitor, sublinhou que o principal comprador das armas norte-americanas é a Arábia Saudita.

    Enquanto Riad continua — com o apoio de Washington – travando uma guerra no Iêmen, que já resultou na morte de 10 mil civis, em 2017 a Casa Branca forneceu armas à Arábia Saudita no valor de 18 bilhões de dólares (R$ 57,6 bilhões). 

    O pesquisador do SIPRI Peter Wezeman afirmou que "o conflito violento generalizado no Oriente Médio e as preocupações com a situação dos direitos humanos levaram a um debate político na Europa Ocidental e na América do Norte para restringir as vendas de armas", informou o portal Xinhuanet.com.

    "Entretanto, os EUA e os países europeus continuam sendo os principais exportadores de armas à região", acrescentou Wezenman, "fornecendo mais de 98% das armas importadas pela Arábia Saudita".

    Os especialistas sublinham as medidas tomadas pela administração Trump para acelerar o processo de aprovação de venda de armas, porque o presidente sugeriu que produzir e vender mais armas significa a criação de mais postos de trabalho nos EUA.

    No entanto, Bill Hartung, especialista em segurança nacional e política externa do Centro para a Política Internacional, declarou que "a decisão de armar regimes repressivos e apoiar atos de guerra tem sérias consequências negativas para a segurança dos EUA".

    Mais:

    Defesa de Lula denuncia 'cooperação ilícita' entre Brasil e EUA durante Lava Jato
    Tags:
    guerra, armamento, armas, Donald Trump, Oriente Médio, Arábia Saudita, Iêmen, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik