00:10 22 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Veículo blindado de infantaria russo K-17 Bumerang

    Bumerang de alta manobrabilidade: para que Rússia está desenvolvendo um novo tanque?

    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Defesa
    URL curta
    6240

    A Rússia iniciou os trabalhos para desenvolver um tanque em plataforma de rodas, segundo afirmou o diretor da empresa produtora VPK (Voyenno-Promyshlennaya Kompaniya), Aleksandr Krasovitsky. Analista militar aponta as perspectivas de tal veículo.

    Novo blindado russo Bumerang
    © Sputnik / Vadim Savitsky
    Segundo o diretor da empresa, o veículo será produzido já em breve.

    O carro de combate deverá superar os atuais tanques de lagartas no que diz respeito à manobrabilidade e velocidade, assim como à capacidade de superar obstáculos e resistência de sua blindagem. Uma análise do canal RT aponta os detalhes deste blindado e as perspectivas de sua utilização em combate.

    Cavalaria ligeira do século XXI

    O Bumerang é uma plataforma anfíbia que serve de base para uma séria de veículos de nova geração. Atualmente, os testes do veículo blindado de transporte K-16 e de combate K-17 estão em sua etapa final.

    Os tanques de rodas não são muito frequentes nos exércitos que, em geral, dispõem apenas de tanques convencionais de lagartas. Este tipo de tanques é utilizado nas forças armadas de tais países como a China, EUA, França, Itália, Japão, África do Sul ou Suíça.

    A vantagem principal dos tanques de rodas é a sua maior manobrabilidade nas estradas ou relevos planos. Seu peso não excede as 20 toneladas (comparado com as 40-55 toneladas dos tanques de lagartas), enquanto sua velocidade em estrada varia entre 90 e 120 quilômetros por hora (frente a 45-55 km\h dos outros tanques). Além disso, os tanques de esteira costumam ser deslocados até à linha de combate por trem ou em caminhões, enquanto os blindados de rodas podem chegar ao lugar necessário por si próprios.

    Ao mesmo tempo, os tanques de lagartas superam seus análogos de rodas no relevo acidentado, pantanoso ou arborizado. Também possuem maior poder de fogo e uma blindagem mais forte.

    Fator sírio

    O protótipo russo de um tanque de rodas baseado na plataforma Bumerang poderá estar pronto nos próximos dois ou três anos, afirmou o analista militar Vadim Koziulin ao canal RT. De acordo com ele, a Rússia tem todos os recursos materiais, científicos e tecnológicos para consegui-lo.

    "Para o nosso país, colocar um tanque em rodas não é um problema. A Rússia é o líder mundial na área de construção de tanques. A tarefa é simplificada graças aos modernos módulos de combate, dispositivos robotizados e meios de proteção mais sofisticados, que podem diminuir os problemas ligados à fraca blindagem", sublinhou.

    O especialista assinalou que a operação síria foi um dos fatores que estimulou o desenvolvimento de um tanque de rodas. Nas condições desérticas do Oriente Médio, os grupos armados com veículos de blindagem ligeira mostraram maior eficiência do que seus análogos mais pesados.

    "Os tanques, especialmente os sírios, eram alvos bastante fáceis para os grupos móveis de militantes. A caça aos Jeeps e jihad-mobiles dos terroristas é algo que continua a consumir muito tempo e esforços", comentou Koziulin.

    O analista opina que os tanques de rodas poderiam ajudar a resolver muitos destes problemas na Síria, assim como os veículos blindados Terminator, mais rápidos e de maior manobrabilidade do que tanques convencionais.

    Apesar da utilização de tanque de rodas ser limitado nas condições russas, o analista tem a certeza que estes poderiam ter uma grande procura nos países do Oriente Médio e Norte de África.

    Mais:

    Para especialista, nova geração de armas russas é resposta à ofensiva dos EUA e da OTAN
    Putin: países estrangeiros não criaram armas de alta tecnologia como a Rússia
    Putin sobre novo drone submarino russo: 'é simplesmente fantástico'
    Tags:
    veículo de combate, veículos blindados, tanque, Bumerang, Suíça, EUA, França, Itália, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik