22:09 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Drone norte-americano RQ-4 Global Hawk. Esta é uma das aeronaves estacionadas na base aérea de Al-Dhafra

    Washington pode gastar US$ 1 bilhão para criar laser caçador de drones

    © AP Photo / Northrop Grumman via U.S. Navy, Erik Hildebrandt
    Defesa
    URL curta
    639

    Além do mais, o sistema também terá câmeras e sensores de rastreamento para cegar aeronaves hostis, potencialmente anulando a tecnologia de radares furtivos.

    O exército dos EUA está desenvolvendo um laser de alta potência capaz de cegar drones espiões. O gigante da defesa, a Lockheed Martin, recebeu um contrato de US$ 150 milhões (quase R$ 500) com a consequente chance de gastar US$ 942 milhões (mais de R$ 3 bilhões) no total no desenvolvimento completo do sistema, informa o portal Military.com.

    No âmbito do programa HELIOS serão criados dois lasers gigantes até 2020, cuja função será neutralizar as aeronaves de reconhecimento não tripuladas de outros países. Um será testado em um destróier da classe Arleigh Burke da Marinha dos EUA, enquanto o outro será ensaiado no campo de mísseis White Sands Missile Range, no Novo México.

    O sistema terá câmeras e sensores de rastreamento para detectar aeronaves hostis, potencialmente anulando a tecnologia de radares furtivos usada nos aviões de guerra de quinta geração, como o avião de combate Lockheed Martin F-35 Lightning II.

    O acordo para a arma experimental foi anunciado na quinta-feira (1), no mesmo dia em que o presidente russo, Vladimir Putin, revelou as novas armas revolucionárias que a Rússia está desenvolvendo, incluindo uma arma laser de potencial desconhecido e mísseis hipersônicos que poderiam contrariar os sistemas de defesa ocidentais.

    Mais:

    O que significa superioridade de drones russos sobre análogos norte-americanos?
    Como se pode derrubar drones?
    Rebelião das máquinas: como drones se tornam arma poderosa de terroristas
    Tags:
    espião, laser, drone, Pentágono, Lockheed Martin, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik