04:27 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Caça russo da quinta geração Su-57

    'Olho omnividente': qual é a nova poderosa arma do Su-57?

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Defesa
    URL curta
    14464

    Os caças russos da quinta geração Su-57 foram dotados de um "revestimento inteligente". Isso significa que agora os radares são instalados por toda a superfície da aeronave.

    De acordo com especialistas, essa caraterística proporcionará ao caça russo capacidades avançadas.  O avião terá um panorama circular de centenas de quilômetros fazendo com que o piloto possa ser avisado do perigo a tempo.

    Tradicionalmente, as antenas de radar são instaladas no nariz do caça, comunicou o jornal russo Izvestia. Este dispositivo proporciona uma visão de aproximadamente 180º. Tal sistema não detecta adversários que ataquem por trás ou de lado.

    O novo sistema de radar H036 Belka proporciona uma distribuição de matrizes de antenas de vários tipos por topo o corpo do Su-57, o que assegura uma visão completa ao piloto.

    "O piloto verá tudo o que está acontecendo em seu redor, em todas as direções. Nos combates aéreos, quando um avião pode ser atacado pela defesa aérea ou pela aviação inimiga, uma vista circular oferece uma grande vantagem", frisou o especialista militar Aleksei Leonkov.

    Outro analista, Yuri Beli, comentou ao Izvestia que o radar Belka asseguraria a superioridade do caça russo sobre qualquer inimigo, incluindo os aviões de combate norte-americanos da quinta geração F-22 e F-35.

    "As características do radar foram comprovadas nos dois modos principais: durante exploração do espaço aéreo, bem como da superfície terrestre", destacou Yuri Beli.

    Mais:

    Mais 2 caças Su-57 russos teriam chegado à Síria (FOTO)
    Rússia teria enviado Su-57 à Síria para conter caças furtivos norte-americanos?
    Ex-chefe da Força Aeroespacial russa: não temos informações sobre envio de Su-57 à Síria
    Tags:
    radar, caça, avião, Su-57, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik