10:52 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Destróier com mísseis teleguiados USS Carney  (foto de arquivo)

    Missão de destróieres estadunidenses no mar Negro: 'quem planejam proteger e de quem?'

    © AFP 2018 / FELIX GARZA/Marinha dos EUA
    Defesa
    URL curta
    204

    As ações tomadas pelos EUA provocaram tensões na região, agravando ainda mais a situação. O deputado russo explica quais são as reais razões de tal comportamento.

    Em 17 de fevereiro o destróier estadunidense USS Carney entrou em águas do mar Negro com o objetivo de "realizar operações para garantir a segurança no mar", bem como "aumentar a estabilidade regional, a prontidão de combate e as capacidades da frota dos países da OTAN e aliados".

    "Com suas provocações, EUA estão buscando uma reação de resposta que poderia servir de pretexto para realizar ações mais sérias junto com seus aliados", opina o vice-presidente do Comitê de Segurança e Defesa da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), Yuri Shvytkin.

    Entretanto, o deputado assegurou que as ações estadunidenses provocaram tensões na região, apesar de Washington ter afirmado que a resolução de enviar mais um navio ao mar Negro é decisão "preventiva, não reativa".

    De acordo com Skvytkin, os EUA consideram a presença do USS Carney no mar Negro como "necessária" para realizar suas missões navais de segurança. Porém, tais explicações provocam ainda mais perguntas. Em particular: "Quem planejam proteger [os destróieres] e de quem?".

    O funcionário opina que os Estados Unidos "estão agravando a situação" porque agora já dois de seus navios se encontram na região.

    "Até o momento não respondemos, mas temos poder e recursos suficientes para usá-los em caso de qualquer provocação", concluiu.

    O USS Ross pertence à classe Arleigh Burke e está equipado com mísseis de cruzeiro Tomahawk, mísseis antiaéreos e mísseis anti-submarino. Em abril de 2017, o USS Ross participou no bombardeio com mísseis Tomahawk do aeródromo sírio de Shayrat, controlado pelas forças governamentais. No total, naquela operação foram disparados 59 mísseis.

    Mais:

    OTAN faz exercícios com Bulgária no mar Negro
    Perigo para russos e sírios? Destróier dos EUA que atacou a Síria volta ao mar Negro
    OTAN continua jogo de nervos no mar Negro
    Analista militar: está sendo preparada provocação no mar Negro
    Tags:
    tensões, destróieres, USS Carney, Tomahawk, Yuri Shvytkin, mar Negro, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik