09:43 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeiras russa e norte-americana

    Veja por que os EUA estão monitorando Kaliningrado

    © AFP 2018 / MLADEN ANTONOV
    Defesa
    URL curta
    9193

    Washington continuará monitorando o possível desenvolvimento de equipamentos militares russos na região mais ocidental de Kaliningrado, devido à recente implantação de mísseis balísticos de curta distância na área, Michelle Baldanza, porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA disse à Sputnik neste sábado (10).

    "A implantação de mísseis balísticos de curto alcance na região de Kaliningrado representa uma ação infeliz e desestabilizadora devido às suas capacidades ofensivas e à proximidade de vários aliados da OTAN […] Continuaremos a monitorar quaisquer implantações potenciais e avaliaremos de acordo", disse Baldanza.

    A implantação dos sistemas de mísseis em Kaliningrado não viola quaisquer tratados bilaterais entre os Estados Unidos e a Rússia, observou a porta-voz do Pentágono. No entanto, tais ações contribuem para aumentar as tensões entre a Rússia e seus vizinhos, acrescentou Baldanza.

    Raimundas Karoblis, ministro da Defesa da Lituânia, disse em uma entrevista à agência de notícias BNS publicada na segunda-feira (5) que a Rússia havia implantado os sistemas de mísseis balísticos Iskander na região de Kaliningrado.

    Vladimir Shamanov, chefe do comitê de defesa da câmara baixa russa, posteriormente confirmou a informação.

    Comentando a implantação dos sistemas de mísseis Iskander em Kaliningrado, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse na terça-feira (6) que Moscou não ameaçou ninguém, observando o direito soberano da Rússia de colocar armas em qualquer lugar do seu território.

    A possibilidade de implantação de sistemas Iskander na região de Kaliningrado em resposta à implantação de sistemas de mísseis da OTAN na República Tcheca e na Polônia foi inicialmente expressa em 2008 pelo então presidente russo Dmitry Medvedev, que atualmente ocupa o cargo de primeiro-ministro.

    Ao longo dos últimos anos, os Estados Unidos e a OTAN aumentado a presença militar na Europa Oriental e nos países bálticos, citando a necessidade de proteção contra uma suposta agressão russa.

    Moscou afirmou repetidamente que a Rússia nunca planejou atacar nenhum Estado membro da OTAN. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que a OTAN reconhece isso, mas usa o pretexto de uma suposta agressão russa para implantar mais equipamentos e batalhões ao lado das fronteiras russas.

    Mais:

    Como Kaliningrado pretende lidar com cachorros de rua durante Copa de 2018?
    Como seria uma guerra com a Rússia? Conheça as previsões
    O que os inimigos da Rússia tentariam destruir em uma guerra? Ministério responde
    Analista: armas estratégicas e espaciais dos EUA contra Rússia perderão sua importância
    Tags:
    mísseis balísticos, Defesa, Iskander, Pentágono, OTAN, Dmitry Peskov, Vladimir Shamanov, Sergei Lavrov, Países Bálticos, República Tcheca, Lituânia, Kaliningrado, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik