17:59 21 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Canhão AK-130 instalado no cruzador Varyag, foto de arquivo

    Conheça o 'canhão-monstro' russo, uma das melhores peças da artilharia naval

    © Sputnik / Aleksei Kundenko
    Defesa
    URL curta
    4350

    A "formidável" arma naval de fabricação soviética, além de proteger contra drones, pode afundar destróieres com seu poderoso canhão de 130 milímetros, capaz de disparar 80 projéteis por minuto.

    As Forças Armadas russas contam com uma das melhores armas da artilharia naval, diz o colunista Charlie Gao do The National Interest.

    Trata-se do canhão naval automático AK-130, que entrou no serviço em 1985 com o objetivo de equipar os destróieres soviéticos com meios de artilharia antiaérea. A arma foi projetada para abater alvos localizados em um raio até 23 km, e pode cumprir funções balísticas, de artilharia antiaérea e antimíssil.

    No entanto, a principal vantagem deste canhão duplo, afirma o colunista, consiste na combinação de um alto calibre com uma alta cadência de tiro: é capaz de disparar 80 projéteis de 130 milímetros por minuto, característica que marcou grande diferença em relação a seus congêneres estrangeiros durante a Guerra Fria.

    "Essas mesmas características tornaram o AK-130 um dos melhores canhões navais para defender navio de um enxame de drones", diz o colunista.

    Gao explicou que este "monstro" é também capaz de afundar destróieres inimigos que naveguem em seu alcance, e sublinhou que, apesar de só ter sido instalado em navios do projeto 956 por ser "extremamente pesado" —cerca de 140 toneladas, juntamente com as munições-, "continua demonstrando a sua utilidade na era moderna".

    Mais:

    Fim de época: Marinha russa se despede de maiores 'tubarões' submarinos no mundo
    'Vitória está onde estamos': fuzileiros da Marinha russa em ação (VÍDEO)
    Explosão nas profundezas do mar: manobras agitadas da Marinha russa (VÍDEO)
    Tags:
    artilharia, defesa, canhão, AK-130, Marinha da Rússia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik