17:09 19 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Militares na base russa na Abkházia durante exercícios antiterroristas

    Bases russas não correm risco de ser detectadas por aplicativos, assegura especialista

    © Sputnik / Ilona Hvartskiya
    Defesa
    URL curta
    481
    Nos siga no

    Não é possível encontrar bases russas usando os aplicativos de fitness, elas não correm nenhum perigo, declarou à Sputnik o analista militar Viktor Murakhovsky.

    O jornal The Verge havia informado mais cedo que os dados das bases militares e outras estruturas potencialmente secretas em todo o mundo surgiram em acesso aberto na Internet no mapa interativo Global Heat Maps do aplicativo esportivo para smartphones Strava, que mostra onde estão os usuários. Como destaca a matéria do The Verge o aplicativo mostra também a deslocação dos militares norte-americanos na Síria, Iraque e outras áreas.

    "Isto de jeito nenhum pode afetar a segurança das bases russas, pois o uso de tais dispositivos é proibido, não apenas aplicativos, mas o uso de smartphones comerciais é proibido. Não se usam estas coisas durante o serviço, operações ou treinamentos", destacou o analista.

    As bases norte-americanas que já foram detectadas através do aplicativo podem se tornar alvo de novos ataques terroristas, opina Murakhovsky.

    "Em primeiro lugar, isto pode alimentar ataques terroristas. [As bases] viram alvos para ataques terroristas, especialmente nas áreas onde estão tropas norte-americanas. Estou falando do Afeganistão, Iraque, Síria…tal desorganização nos surpreende: como é possível não se cumprirem as exigências de segurança cibernética e radioeletrônica?", pergunta o especialista russo.

    Mais:

    Especialista militar revela a que se destinam bases russas na Síria
    Chanceler do Chipre faz declaração sobre bases russas no país
    Para analista, só terroristas poderiam permitir instalação de bases dos EUA na Síria
    Tags:
    aplicativo, segurança, bases militares, Síria, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar