12:30 18 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Um bombardeiro estratégico Tu-160 da Força Aeroespacial russa

    Sucessor do bombardeiro russo Tu-160 não será nada um 'avião tradicional'

    © Sputnik / Vladimir Sergeev
    Defesa
    URL curta
    9411

    O futuro bombardeiro lança-mísseis estratégico russo PAK DA não se vai parecer com um avião no conceito tradicional, afirmou o vice-premiê do país, Dmitry Rogozin.

    O PAK DA, bombardeiro de nova geração que vai substituir o avião estratégico Tupolev Tu-160, terá um sistema aerodinâmico muito promissor, anunciou neste sábado (27) o vice-premiê russo, citado pela mídia.

    "O Gabinete de Projetos Tupolev inicia a etapa ativa dos trabalhos de concepção do PAK DA a partir deste ano. Espero que os ensaios desta aeronave comecem nos finais de 2023 ou no início de 2024. Seu aspecto visual não se vai parecer com um avião tradicional tal como o conhecemos. Será uma asa voadora, um avião do século XXI", revelou Rogozin.

    O conceito de "asa voadora" significa uma aeronave que não possui nem fuselagem nem empenagem. As diferentes superfícies móveis necessárias para a pilotagem do veículo são todas situados sobre a asa.

    Em novembro passado, as mídias comunicaram que o PAK DA, destinado a realizar as missões de aviões de longo alcance (Tu-160, Tu-95MS e Tu22M3), custará menos caro que o Tu-160, pois pertence à classe de aviões subsônicos.

    Desenhado na época da URSS, o Tu-160 entrou em serviço em 1987. Batizado de Cisne Branco, o Tu-160 possui características únicas que permitem o designar como um dos aviões mais desenvolvidos de toda a história da aviação militar.

    Mais:

    Primeiro caça russo Su-57 de 5 ª geração será colocado em serviço 'muito em breve'
    Qual é a maior desvantagem do 'caça mais mortífero' dos EUA perante Su-35 russo?
    Novidade mais importante: do que é capaz caça russo Su-57 com novo motor
    Tags:
    asa, Bombardeiro, avião, PAK DA, Tu-160, Tupolev, Dmitry Rogozin, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar