14:47 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2160
    Nos siga no

    Desde a antiguidade, a habilidade de enganar o inimigo é considerada uma das principais qualidades de um bom comandante. É mais fácil vencer um inimigo ao deixar ele desorientado, desmoralizado e confuso.

    Hoje em dia, esta regra continua sendo atual, o que já foi comprovado pela experiência de guerras e conflitos armados nos séculos XX-XXI. Nesta matéria, a Sputnik publicará exemplos particulares de artimanhas militares de várias épocas.

    'Telefone sem fio'

    Durante a Grande Guerra pela Pátria (parte da Segunda Guerra Mundial, compreendida entre 22 de junho de 1941 e 9 de maio de 1945, e limitada às hostilidades entre a União Soviética e a Alemanha nazista e seus aliados) os serviços de inteligência soviéticos realizaram uma grande operação para desinformar o comando nazista, utilizando vários métodos, tais como o "telefone sem fio", ou seja, envio de informações falsas através de transmissores capturados do inimigo. 

    Graças à técnica do "telefone sem fio", a contraespionagem soviética conseguiu deter mais de 400 agentes e funcionários de serviços secretos alemães, desorientar unidades das forças armadas nazistas e impedir planos estratégicos do inimigo. Várias vezes as tropas alemãs "caíram nas armadilhas", quando seus comandantes recebiam "ordens" pelo rádio.

    Vale destacar a operação Berezino, iniciada em agosto de 1944. Os serviços de inteligência soviéticos envolveram nela o tenente-coronel então prisioneiro soviético, Heinrich Scherhorn. Ele desempenhava o papel de comandante de uma unidade mítica do exército alemão que aparentemente se escondia nas florestas da Bielorrússia, na área do rio Berezina. "Unidade" não tinha contato com o comando, tampouco munições, comida e medicamentos. O comande nazista acreditou.

    A operação Berezino durou até o fim da guerra. Para a unidade de Scherhorn, que durante a operação foi promovido pelo comando alemão à posição de coronel, enviavam armas, comida e dinheiro. Todos os soldados enviados para ajudar foram imediatamente detidos, por conseguinte, uma parte deles passou a servir para a inteligência da URSS, e se envolveu no jogo.

    Operador de rádio soviético, 1942
    © Sputnik / Sergei Loskutov
    Operador de rádio soviético, 1942

    A operação acabou em 5 de maio de 1945, quando Scherhorn recebeu a última mensagem de rádio de Berlim sobre os "guerrilheiros" terem que resolver seus problemas por conta própria devido a uma situação complicada na Alemanha. Comandantes do exército alemão nunca chegaram a desconfiar que por todo este tempo soldados soviéticos os trapacearam.

    Bombardeiro 'fantasma'

    A aviação norte-americana começou a bombear o Vietnã do Norte em março de 1965, e, inicialmente, quase não encontrou resistência. Os bombardeiros F-105 Thunderchief voaram a altitudes inacessíveis para armas inimigas. 

    Contudo, em 1966 a República Democrática do Vietnã passou a contar com seus primeiros caças soviéticos MiG-21. Depois de vários meses "intactos", norte-americanos começaram a sofrer suas primeiras perdas. Bombardeiros estadunidenses voavam protegidos pelos interceptores F-104 Starfighter, contudo, os MiG-21, sendo mais manobráveis, evitavam qualquer contato com eles e posicionavam sua mira nos Thunderchiefs.

    Caça F-4 Phantom II
    © flickr.com / cclark395
    Caça F-4 Phantom II

    No outono de 1966, o coronel Robert Olds se tornou comandante da 8ª Asa Tática da Força Aérea dos EUA. Ele elaborou a operação Bolo, visando assegurar condições desfavoráveis para a aviação inimiga. Para alcançar seu objetivo, o coronel utilizou caças F-4 Phantom II que deveriam "passar" por bombardeiros.

    Em 2 de janeiro de 1967, 28 "fantasmas" decolaram do aeroporto. Os aviões seguiram a rota habitual dos Thunderchiefs, estruturados do mesmo jeito que aqueles, e mantendo sua velocidade e altitude. Os pilotos trocavam informações através de termos específicos para pilotos de bombardeiros. Os vietnamitas "morderam a isca".

    Para interceptar o inimigo foram envolvidos todos os MiG-21. Na curta luta aérea, os norte-americanos derrubaram sete aviões vietnamitas e danificaram dois em apenas oito minutos. Neste sentido, a subtaneidade e vantagem numérica foram cruciais. No total, em apenas uma missão, norte-americanos puseram fora de combate metade dos MiG-21 do Vietnã do Norte.

    Plena embromação 

    A operação militar, realizada pelos países da OTAN, contra a Iugoslávia em 1999 não conseguiu esmagar o exército sérvio e privar seu potencial de combate.  

    Como resultado dos ataques norte-americanos, mais de 900 alvos no território da Sérvia e Montenegro foram atingidos, aproximadamente 200 instalações industriais, armazéns de petróleo, instalações energéticas, bem como infraestrutura civil, incluindo 82 pontes e estradas que foram completamente destruídas ou seriamente danificadas. Enquanto isso, o exército sérvio, cuja maior parte estava instalada no território do Kosovo, praticamente não sofreu perdas. 

    Iugoslávia durante bombardeio da OTAN, 1999
    © Foto / Darko Dozet
    Iugoslávia durante bombardeio da OTAN, 1999

    No fim de 1999, os EUA relataram sobre a eliminação de 120 tanques do inimigo, 220 veículos de combate de infantaria e 450 canhões. Contudo, uma comissão norte-americana especial enviada ao Kosovo no ano seguinte, reportou outros números.

    Foi revelado que os bombardeios dos EUA eliminaram somente 20 tanques, 18 veículos de combate de infantaria e 20 canhões. A maior parte dos mísseis guiados ar-terra (cada um custava mais de US$ 1 milhão) atingiu balões de ar parecidos com equipamento bélico, que sérvios instalaram por todos os lugares. 

    A armadilha funcionou, o exército da Sérvia conseguiu preservar a maior parte de suas forças. A falha abriu os olhos da Aliança Atlântica para não realizar operação terrestre no Kosovo.

    Assustar inimigo 

    A história militar conta com muitos exemplos sobre exército conseguir vencer o inimigo que possuía uma vantagem numérica, simplesmente assustando-o. 

    Em 9 de agosto de 2008, quatro tanques russos T-72 entraram em Tskhinval, cidade da Ossétia do Sul, ao enfrentar a guerra contra a Geórgia e então ocupada pelas tropas georgianas. Os tanques russos deveriam quebrar o cerco e libertar pacificadores presos na cidade. Eles conseguiram se aproximar das posições do batalhão de pacificadores, contudo, georgianos cortaram tanques das tropas da infantaria mecanizada ao seguir junto com veículos blindados.

    A tripulação de um taque T-72, comandado pelo sargento Sergei Mylnikov, eliminou naquele combate dois tanques e três veículos blindados ligeiros, contudo, ataques à guarnição não pararam. Então, a tripulação decidiu abrir passagem da cidade diante das tropas russas. O único tanque salvo do sargento Mylnikov, ao gastar todas as munições, foi atacar as posições inimigas a uma velocidade máxima. 

    A infantaria georgiana se assustou e recuou, temendo o T-72 ameaçador (mas completamente vazio naquele momento). Este rodeio fez com que o batalhão de pacificadores saísse da cidade, levando mortos e feridos junto.

    Mais:

    General estoniano acusa Rússia de preparar uma 'guerra de grande escala' contra OTAN
    'Mísseis monstruosos' passam a proteger o litoral da Rússia
    Washington começa novo ano 'com passo pouco amigável em relação à Rússia'
    Tags:
    guerra, armadilha, estratégia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar