15:24 25 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2106
    Nos siga no

    O projeto para o novo míssil tem prazo de cinco anos, e promete desenvolver uma arma de baixo custo, porém mais eficiente.

    O laboratório de pesquisa da Força aérea dos Estados Unidos aprovou um projeto de US$ 110 milhões (R$ 366 milhões) para o desenvolvimento de um novo míssil de cruzeiro com baixo custo, disse a Lockheed Martin em um comunicado de imprensa nesta quarta-feira (27).

    "A Lockheed Martin recebeu um contrato de fase 1 de US$ 110 milhões, de cinco anos, do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA (AFRL, sigla em inglês) para desenvolver e demonstrar um novo míssil de cruzeiro de baixo custo chamado Gray Wolf", disse o comunicado. A Lockheed Martin é uma empresa norte-americana fabricante de equipamentos de defesa, tais como mísseis e aeronaves.

    O AFRL está desenvolvendo os mísseis com tecnologia para enfrentar as ameaças do sistema de Defesa Aérea Integrada (IAD, singla em inglês) em todo o mundo. O design do míssil Gray Wolf permitirá a maior flexibilidade nas missões.

    "O conceito da Lockheed Martin para o míssil do Gray Wolf será um míssil acessível e contra-IAD que funcionará de forma eficiente em ambientes altamente contestados", disse o diretor do Programa de Mísseis Avançados da Lockheed Martin, Hady Mourad.

    O novo míssil incorporará tecnologias avançadas, como ogivas mais letais ou mais motores eficientes em termos de combustível, assim que esses sistemas estiverem disponíveis, acrescentou Mourad.

    O míssil será projetado para compatibilidade com as aeronaves F-35, F-15, F-16, F-18, B-1, B-2 e B-52, diz o comunicado.

    Mais:

    EUA testam míssil antinavio lançado do B-1B Bomber (FOTO)
    Estados Unidos podem estar elaborando novo míssil para 'golpe degolador'
    EUA: Míssil interceptado pela Arábia Saudita foi fabricado no Irã
    Rússia mostra instalação de míssil balístico intercontinental (VÍDEO)
    Tags:
    defesa aérea, Lockheed Martin, Hady Mourad, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar