14:31 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Submarino nuclear russo de classe Borei (foto de arquivo)

    Vantagens exclusivas: novíssimo submarino russo será equipado com robôs e mísseis

    © Sputnik / Sevmash
    Defesa
    URL curta
    3202

    Os submarinos nucleares de quinta geração da classe Husky da Marinha da Rússia, estarão equipados com sistemas robóticos capazes de operar tanto em água como no ar.

    De acordo com o chefe do departamento de Robótica da empresa Malakhit, Oleg Vlasov, esses submarinos são "diferente dos submarinos atuais" do ponto de vista técnico, pois contam com "robôs militares, especializados e de uso civil" capazes de "operar em duas áreas" e cujo desenvolvimento "já está em marcha".

    Está previsto que os submarinos nucleares de quinta geração façam parte da Marinha russa em 2030 e estima-se que os Husky estarão armados com os avançados mísseis de cruzeiro hipersônicos Tsirkon.

    O núcleo da frota submarina russa é representado por navios de terceira geração. No entanto, atualmente conta com três submarinos estratégicos de quarta geração do projeto 955 da classe Borei e espera receber outras cinco unidades. Hoje em dia, só a Rússia conta com submarinos estratégicos de quarta geração, enquanto seus análogos nos EUA e no Reino Unido não entrarão em funcionamento antes de 2030.

    Em qualquer caso, os submarinos nucleares russos mais avançados — também de quarta geração — são da classe Yasen e Yasen-M, alguns deles já estão em serviço. Antes de 2021, Moscou espera contar com pelo menos sete navios desse tipo.

    Mais:

    Marinha da Rússia testará capacidades do seu novo submarino estratégico Knyaz Vladimir
    'Vitória está onde estamos': fuzileiros da Marinha russa em ação (VÍDEO)
    Analista militar conta sobre lançador de mísseis 'onívoro' para Marinha russa
    'Canibalismo' é um dos maiores problemas da Marinha do Reino Unido
    Tags:
    mísseis de cruzeiro, navio, quinta geração, submarino, Borei, Tsirkon, Marinha da Rússia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar