05:38 11 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Grupo de caças russos MiG-31 nos céus de Moscou

    Opinião: o 'verdadeiro interceptor' russo ultrapassará qualquer concorrente ocidental

    © Sputnik/ Aleksandr Galperin
    Defesa
    URL curta
    6264

    O caça russo modernizado MiG-31 ultrapassará qualquer análogo de produção ocidental, afirma a Focus.

    Em comparação com os caças multifuncionais modernos, o MiG-31 russo é um "verdadeiro interceptor", afirma a edição alemã.

    O MiG-31 é "o caça mais rápido do mundo que está no serviço", afirma a Focus. Ele pode voar a uma velocidade de até 3,5 mil km/h, enquanto a velocidade máxima do caça mais rápido norte-americano F-15 é de 3 mil km/h.

    "Em comparação com os aviões de guerra multifuncionais que existem hoje, o MiG-31 é o verdadeiro interceptor. O seu objetivo é proteger o espaço aéreo do enorme território russo e interceptar e liquidar os aviões de guerra do inimigo em caso de necessidade. Por isso, a prioridade aqui é a velocidade e o alcance operacional, não a capacidade de manobrar, como no caso dos caças clássicos", afirma a Focus.

    O MiG-31 russo também pode voar a uma altitude de até 20 km. Ele foi desenvolvido ainda nos tempos da União Soviética e está no serviço da Força Aeroespacial russa desde 1981.

    Aeronaves MiG-31, da Frota Russa do Oceano Pacífico, durante manobras na região de Kamchatka
    © Sputnik/ Vitaliy Ankov
    Aeronaves MiG-31, da Frota Russa do Oceano Pacífico, durante manobras na região de Kamchatka

    O desenvolvimento do sucessor do MiG-31 já está em curso. "O MiG-41 deve ser mais rápido e conseguir acelerar a uma velocidade de até 4,5 mil km/h. Porém, os analistas supõem que ele não substitua MiG-31 antes de 2030", conclui a edição.

    Mais:

    Caças MiG-31 realizam 'combate aéreo' a velocidade hipersônica
    Veja reabastecimento de caça MiG-31 à velocidade de 500 km/h (VÍDEO)
    Tags:
    defesa, alcance, velocidade, interceptor, capacidade militar, aviação militar, caça, MiG-31, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik