06:00 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Duterte testa os armamentos

    Duterte revela 'presente' secreto da Rússia às Filipinas

    © Foto: REUTERS/Romeo Ranoco
    Defesa
    URL curta
    31864151

    A Rússia doou às Filipinas cerca de 5.000 fuzis de assalto Kalashnikov para apoiar sua luta contra os terroristas do Daesh (organização terrorista proibida em muitos países, incluindo na Rússia), declarou o presidente do país asiático, Rodrigo Duterte, citado pela agência Reuters.

    O presidente das Filipinas assegurou que os jihadistas "não desapareceram e se reagruparam para atacar em qualquer parte".

    "Teremos os Kalashnikov", indicou, acrescentando que Moscou deseja "manter esta doação em segredo".

    Ao mesmo tempo, Duterte afirmou que o acordo será assinado até fim de outubro. O mandatário está satisfeito, pois militares filipinos já não precisam utilizar armas de segunda mão adquiridas nos EUA.

    Segundo declarou à Reuters um funcionário do Ministério da Defesa das Filipinas, Manila (capital do país) também obterá milhões de cartuchos de munições, bem como dezenas de caminhões blindados russos.

    Além disso, cinco navios militares russos já chegaram ao país para entregar parte da doação.

    Em junho, Manila declarou que planeja — pela primeira vez na história- adquirir armas da Rússia, bem como revelou seus planos de assinar o acordo em questão até o fim do ano.

    Mais:

    EUA devem anunciar operação militar contra Daesh nas Filipinas
    Assassinato cruel: islamistas decapitam 2 marinheiros vietnamitas nas Filipinas
    Militantes pró-Daesh invadem escola e fazem estudantes reféns nas Filipinas
    Após EUA enviar ajuda militar, presidente das Filipinas diz que nunca solicitou auxílio
    Forças especiais dos EUA se juntam ao combate terrorista nas Filipinas
    Tags:
    presente, doação, militares, armamentos, navios de guerra, fuzil de assalto, jihadistas, terroristas, luta, Kalashnikov, Daesh, Ministério da Defesa, Rodrigo Duterte, EUA, Manila, Filipinas, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik