13:40 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Bombardeiros estratégicos russos Tu-95MS durante vôos de treinamento para parada militar de 9 de maio

    'Mensagem aos EUA': aviação estratégica russa mostra estar preparada

    © Sputnik / Ilya Pitalev
    Defesa
    URL curta
    5281

    Cerca de 20 bombardeiros e caças, aviões de reabastecimento, bem como aeródromos e polígonos de Kaluga a Kamchatka: o Ministério russo da Defesa organizou uma grande inspeção do núcleo de ataque da aviação estratégica nacional.

    As tripulações de aviões estratégicos Tu-95MS e Tu-22M3 devem mostrar as suas capacidades de navegação e de alteração operacional de aeródromos, de reabastecimento durante o voo e de realização de ataques potentes contra alvos inimigos. 

    Mensagem para os EUA 

    A inspeção das aeronaves estratégicas vai ser realizada em 5 aeródromos e 2 polígonos em várias regiões da Rússia, de Kamchatka a Kaluga. Os pilotos estão se dirigindo atualmente para os aeroportos de transição, aprendem a identificar e a eliminar alvos dotados de mísseis guiados e a se reabastecer no ar com um Il-78. 

    Estas competências permitem ampliar o raio de ação da aviação estratégica e organizar ataques de mísseis e bombas contra um inimigo potencial em praticamente qualquer área do mundo.   

    De acordo com os analistas, estes exercícios de inspeção são uma nova verificação de operacionalidade das tripulações, do material aéreo e do pessoal dos aeródromos. 

    De acordo com o analista militar Viktor Baranets, do diário Komsomolskaya Pravda, as manobras no Extremo Oriente russo são realizadas em meio da deterioração da situação em torno da Coreia do Norte.  

    "É um tipo de mensagem, destinada para os EUA, para que não se esqueçam de que, contrariamente a mísseis norte-coreanos, sobre os quais ainda não se sabe se podem atingir a parte continental dos EUA, a Rússia possui aviões, incluindo estratégicos, capazes de alcançar os alvos em qualquer parte do mundo no caso de uma ameaça militar real", destacou o analista militar. 

    Backfire e Bera

    O bombardeiro supersônico Tu-22M3 (Backfire em código da OTAN) pode carregar até 24 toneladas de munições, acelerar a uma velocidade de até 2.300 km/h e operar a milhares de quilômetros do aeródromo. 

    "Quanto à região de Kaluga, os bombardeiros Tu-22M3 se deslocam na base aérea de Chaikovka. Estes aviões são dotados de mísseis supersônicos guiados Kh-22M de versões diferentes", informou o redator do jornal Vzlet, Andrei Fomin.

    Cada Tupolev é geralmente dotado de três mísseis deste tipo, sendo capaz de eliminar alvos terrestres e navais a uma distância de até 480 km. Além disso, o Backfire pode carregar bombas ou cerca de 10 mísseis aéreos táticos Kh-15, capazes de atingir a velocidade Mach 5 e destruir bases aéreas, radares, postos do comando e fábricas militares do inimigo em uma distância de até 300 km.

    Os Tu-95MS (Bera, em código da OTAN) que participam dos exercícios junto com os bombardeiros supersônicos Tu-160, representam hoje em dia o núcleo da aviação estratégica russa. As armas principais destes aviões são mísseis de cruzeiro de longo alcance, que também podem ser dotados de ogivas nucleares. 

    Bombardeiro pesado de longo alcance Tu-95MS é o avião de hélice mais rápido do mundo. Armado com mísseis de cruzeiro, Tu-95MS destina-se a ataques contra alvos na retaguarda do inimigo, a qualquer momento e sob quaisquer condições meteorológicas.
    © Sputnik / Anton Denisov
    Bombardeiro pesado de longo alcance Tu-95MS é o avião de hélice mais rápido do mundo. Armado com mísseis de cruzeiro, Tu-95MS destina-se a ataques contra alvos na retaguarda do inimigo, a qualquer momento e sob quaisquer condições meteorológicas.

    De acordo com os analistas ocidentais, o alcance operacional do novo míssil estratégico Kh-101 pode superar 5 mil quilômetros com uma precisão de 5 metros.

    Céu, mar e terra

    Paralelamente aos exercícios da aviação estratégica na região de Primorie, é verificada a operacionalidade da aviação naval, bem como da frota, dos blindados e da infantaria motorizada. 

    Em 5 de outubro os aviões de reconhecimento Su-24MR efetuaram voos no seu raio de ação máximo sobre o mar de Okhotsk. Os caças Sukhoi fazem parte da força aérea e das unidades antiaéreas deslocadas na região de Primorie. As tripulações interagiram com as forças operacionais terrestres da defesa antiaérea e com os navios da Frota do Pacífico. 

    Nas proximidades, no polígono de Sergeyevsky, na região de Primorie, foram realizadas manobras importantes da infantaria motorizada. Mais de 2 mil soldados e cerca de 700 veículos militares, incluindo tanques T-72B3, helicópteros Mi-8AMTCh e aviões de combate MiG-31, participaram das manobras.

    Mais:

    Confira a farta 'colheita da aviação' russa deste ano!
    Putin propõe ratificação do acordo para instalação da aviação russa na Síria
    Tags:
    capacidade militar, inspeções, aviação militar, preparação, manobras, mísseis, exercícios, ameaça, Tu-95MS, Tu-22M3, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik