14:19 20 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Os sistemas S-400

    Rússia instala segunda divisão de mísseis S-400 na Síria

    © Sputnik / Alexander Vilf
    Defesa
    URL curta
    14660

    Na província síria de Hama foi instalada uma segunda divisão do sistema de defesa antiaérea S-400, informa a edição Jane's Defense Weekly. De acordo com a publicação, os armamentos foram entregues pela Rússia à Síria entre abril e julho de 2017.

    Como prova é apresentada uma imagem de satélite datada de 2 de julho, onde se observa uma segunda divisão destes mísseis. De acordo com os autores, colaboradores do centro francês CNES, nesta imagem se podem ver radares e lançadores S-400 a 13 quilômetros a noroeste da cidade de Massiafe. Anteriormente, nesta posição havia uma bateria de defesa antiaérea da Síria S-200VE.

    No local há radares de varredura circular, quatro lançadores com quatro mísseis cada, bem como um veículo de comando escondido em um bunker. Nas proximidades, há um radar sírio que é responsável pela deteção de alvos para o sistema S-200: uma estação soviética P-14 com uma antena parabólica gigantesca.

    Além disso, pelo menos um sistema de defesa antiaérea de curto alcance Pantsir-S está igualmente desdobrado nas posições da divisão. No fórum militar Exército 2017 os militares russos informaram que vários veículos não tripulados haviam sido derrubados pelo sistema Pantsir em 2017 na área de Massiafe.

    A segunda divisão foi instalada na cordilheira paralela à costa, o que dá aos radares uma visão ampla. Os primeiros mísseis S-400 foram entregue pela Rússia à Síria no final de novembro de 2015 e foram instalados em Hmeymim.

    Mais:

    Mais de 89% do território da Síria está livre do Daesh
    Exército sírio repele ataque do Daesh contra principal via de abastecimento de Deir ez-Zor
    'De três coalizões que operam na Síria, apenas a encabeçada pela Rússia é legítima'
    Tags:
    veículo aéreo não tripulado, armas, defesa, sistema antiaéreo, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik