05:15 24 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Explosão termobárica

    'Pai de todas as bombas': a bomba mais potente nunca usada em combate

    CC0 / USN
    Defesa
    URL curta
    166375344

    Dez anos atrás, em 11 de setembro de 2007, na Rússia foi testado o "pai de todas as bombas". Foi assim que os jornalistas batizaram a arma convencional não nuclear mais potente do arsenal das Forças Armadas russas.

    É uma bomba termobárica, muito diferente dos seus análogos. O "pai" não destrói a infraestrutura inimiga através da uma onda de expansão ou expelindo fragmentos destrutivos. Mais do que isso, com uma potência comparável à de uma pequena bomba nuclear, não produz efeitos colaterais como a radiação.

    "Os resultados dos testes do projétil mostram que sua eficiência e capacidade são comparáveis a uma ogiva nuclear. Ao mesmo tempo, eu gostaria de destacar que esta munição não polui o meio ambiente", disse o vice-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia, Aleksandr Rukshin.

    44 toneladas de trotil

    O seu princípio de funcionamento é simples: a dezenas de metros do alvo, o projétil pulveriza sobre ele uma nuvem de aerossóis inflamáveis, que segundos depois são inflamados com uma carga especial que incinera tudo o que está dentro de um raio de até 300 metros.

    Mesmo na ausência de uma onda de choque supersônica, tal explosão destrói a força viva do potencial inimigo, penetrando livremente em áreas não acessíveis para as munições de fragmentação convencionais. A onda de fogo literalmente penetra em qualquer canto do terreno. Por isso é uma arma perfeita contra alvos protegidos e de difícil acesso, tais como bunkers ou túneis profundos. É quase impossível esconder-se da explosão de uma bomba termobárica.

    "As bombas termobáricas destinam-se principalmente a destruir posições inimigas localizadas em suas linhas de combate, tais como postos de controle, centros de comunicação, locais de lançamento de mísseis", afirmou à Sputnik o editor-chefe da revista russa Arsenal Otechestva, Viktor Murakhovsky.

    O poder de explosão da bomba é equivalente a 44 toneladas de trotil, quatro vezes mais do que o do seu análogo norte-americano, ou seja, é a bomba não nuclear mais potente no mundo.

    Em condições de combate real

    Embora ainda não se saiba se o "pai" teria sido usado em condições de combate real, sabe-se que munições termobáricas menores, que funcionam com base no mesmo princípio, são usadas com sucesso nas Forças Armadas da Rússia há vários anos. De acordo com vários especialistas, a Rússia é agora líder na produção e uso deste tipo de armas.

    Estima-se que essas armas poderiam ter sido usadas na Síria contra bunkers e túneis subterrâneos que os terroristas do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) têm nas montanhas. 

    No entanto, Murakhovsky avisou que essas munições também têm suas desvantagens. Em particular, uma vez lançadas, seu efeito não pode ser completamente controlado, direcionado, reduzido ou, ao contrário, expandido. Dependendo das diferentes condições climáticas — vento, precipitação ou nevoeiro — também varia o efeito que têm sobre os alvos.

    Mais:

    Sindicato dos professores entra no mutirão em defesa da UERJ
    Marinha do Reino Unido testa defesa antiaérea contra mísseis supersônicos
    Ministério da Defesa russo: exercícios Zapad 2017 têm um caráter exclusivamente defensivo
    Tags:
    armas, defesa, bomba, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik