15:17 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Painel de processamento de dados no posto de comando russo

    Radares além-do-horizonte: como Rússia se vai defender dos mísseis de cruzeiro

    © Sputnik/ Sergey Pyatakov
    Defesa
    URL curta
    72567320

    Um campo de radar interrupto que vai cobrir até 2 mil quilômetros fora dos limites da Rússia poderá ser criado até 2025, comunicou ao Kommersant o construtor-geral do sistema nacional de alerta de mísseis Sergei Boev.

    De acordo com o serviço de imprensa do consórcio RTI, neste caso se trata dos novos sistemas de radar Konteiner que, apesar de serem capazes de detectar lançamentos de mísseis balísticos, estão mais focados na busca de alvos aerodinâmicos.

    Os alvos aerodinâmicos são todos os alvos que se deslocam na atmosfera, eles são principalmente aviões, helicópteros, drones e mísseis de cruzeiro. Os últimos representam a maior ameaça porque podem ser lançados em grande quantidade de diferentes vetores, podem sobrevoar distâncias grandes e portar ogivas nucleares.

    Jogar com a ionosfera

    O princípio dos radares além-do-horizonte aplicado ao sistema Konteiner se baseia na capacidade da ionosfera da Terra de refletir os sinais eletromagnéticos enviados a um ângulo determinado. Por isso, tal sistema não pode ver o que está acontecendo no espaço.

    Mas a Rússia possui os sistemas Voronezh que seguem a situação no espaço. Os Konteiner têm uma finalidade um pouco diferente.

    "Os radares Konteiner se destinam mais para a captura e seguimento dos alvos aerodinâmicos, como a aviação ou os mísseis de cruzeiro. O princípio de funcionamento é simples: o sinal transmitido é refletido pela ionosfera e permite observar toda a situação em uma distância de até 3000 quilômetros. É a física pura. Por exemplo, durante os testes do Konteiner, os nossos especialistas observaram toda a Europa com todos os objetivos no seu espaço aéreo", comunicou o representante do serviço de imprensa da RTI.

    Toda a Europa diante dos olhos

    O sistema de radar está em serviço desde dezembro de 2013 e já conseguiu mostrar as suas capacidades em ação.

    O tamanho do sistema é impressionante, o campo de antenas consiste de mais de 100 mastros com altura de um prédio de 10 andares. O sistema está monitorando os territórios da Polônia, Alemanha e dos países do Báltico até à Turquia, Síria e Israel.

    A particularidade principal dos Konteiner consiste em que eles permitem monitorar completamente a situação no espaço aéreo numa zona de 2 mil quilômetros e seguir não só os mísseis de cruzeiro, mas também seus portadores, bem como registrar os momentos de lançamento. É uma capacidade muito importante que transmite a informação para os sistemas de defesa antiaérea e antimíssil que vão neutralizar o inimigo.

    O papel estratégico

    Com base na estratégia militar, a existência de radares além-do-horizonte em todo o perímetro, junto com o funcionamento de um sistema eficaz de defesa antiaérea e antimíssil, vai permitir conter a tática do ataque preventivo de precisão que se baseia no lançamento de mísseis de cruzeiro contra os postos de comando e silos de lançamento de mísseis balísticos intercontinentais.

    A estação de radar Duga em Chernobyl
    © Sputnik/ Stringer
    A estação de radar Duga em Chernobyl

    Esta tecnologia não é nova. Ainda nos anos setenta, a União Soviética construiu os dois sistemas do tipo Duga mais potentes do mundo, que funcionavam segundo um princípio semelhante. Um foi instalado no território da Ucrânia e outro perto de Komsomolsk-no-Amur. O sistema Duga modernizado detectava e monitorava os foguetes do Cabo Canaveral, bem como os lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais Titan do Cabo Kennedy a uma distância de 9 mil quilômetros.

    Mais:

    Novo radar russo pode até determinar a que país pertence o alvo
    Radar do futuro: Exército russo receberá sistema caçador de drones avançado (VÍDEO)
    Tags:
    defesa antimísseis, defesa antiaérea, defesa, capacidade, pulso eletromagnético, mísseis, alvos, radar, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik