02:58 07 Março 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    298713
    Nos siga no

    Enquanto a indústria militar dos EUA prepara a maior expansão da sua Marinha, surgiu um novo problema. Revelou-se que a Força Aérea norte-americana não possui um míssil de cruzeiro de longo alcance.

    Apesar de o Pentágono gastar importantes recursos com o desenvolvimento de tecnologias avançadas para o armamento de aviões, os problemas básicos da Força Aérea dos EUA ainda não foram resolvidos, opina o autor do artigo publicado no site do canal Zvezda, Dmitry Yurov.

    O problema principal, segundo Yurov, está ligado ao desenvolvimento de mísseis de cruzeiro ar-terra de longo alcance e alta precisão. Os mísseis de cruzeiro AGM-129 ACM foram retirados do serviço em 2007 devido ao incumprimento dos requisitos modernos de guerra contra o sistema de defesa antiaérea escalonada.

    Atualmente, os únicos mísseis de cruzeiro modernos para aviões dos EUA são os AGM-158 JASSM, que possuem um raio de ação máximo de entre 300 e 900 km.

    Tendo em conta as dificuldades que surgem no processo de desenvolvimento de armas hipersônicas, o modo mais racional de sair desta situação foi elaborar e pôr em prática outro míssil de cruzeiro para aviões da chamada geração "intermédia", indica o jornalista.

    Por essa razão, em agosto de 2017, as corporações estadunidenses Lockheed Martin e Raytheon receberam US$ 900 milhões (R$ 2,846 bilhões) para o desenvolvimento de um novo míssil de cruzeiro.

    Neste contexto, o autor cita o analista estadunidense, Michael Kofman, que está seguro que o novo míssil de cruzeiro "recebeu luz verde" devido a uns testes bem-sucedidos dos Kh-101 russos na Síria.

    Os navios da Marinha russa efetuam o lançamento de 4 mísseis de cruzeiro Kalibr contra as posições do Daesh na região síria de Palmira
    Os navios da Marinha russa efetuam o lançamento de 4 mísseis de cruzeiro Kalibr contra as posições do Daesh na região síria de Palmira

    Yurov destacou que a Rússia já dispõe de um míssil de cruzeiro com mais de 4.500 km de alcance, enquanto as empresas estadunidenses apenas levaram a cabo o processo inicial de criação de uma arma similar. Os especialistas explicam que o desenvolvimento, testes e compra de 1.000 unidades destes mísseis poderá levar vários anos.

    Nessa situação, a Rússia conseguirá modernizar seus próprios mísseis, mais uma vez deixando os EUA para trás.

    Ao mesmo tempo, o especialista aponta para mais uma vantagem importante da Força Aeroespacial da Rússia — é o desenvolvimento de um ciclo completo de produção de mísseis de longo alcance.

    Tudo isso permite à Rússia estar um passo à frente de seus adversários potenciais quanto à aviação estratégica.

    Por esta razão, a tarefa complicadíssima colocada hoje às maiores empresas industriais e militares dos EUA, do ponto de visto técnico, será "criar um míssil como o que têm os russos", conclui.

    Mais:

    Saiba a razão pela qual os EUA deveriam temer os mísseis Kalibr russos
    Marinha russa receberá em 2018 submarino armado com mísseis Kalibr
    Submarinos nucleares Antey vão receber mísseis Kalibr
    National Interest revela o verdadeiro perigo dos mísseis de cruzeiro Kalibr
    Tags:
    armas, desenvolvimento, avanço, tecnologia, mísseis de cruzeiro, Kalibr, Raytheon, Lockheed Martin, Força Aeroespacial da Rússia, Força Aérea dos EUA, Marinha dos EUA, Pentágono, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar