07:43 28 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2323
    Nos siga no

    No pano de fundo das manobras conjuntas de Seul e Washington Ulchi Freedom Guardian, que Pyongyang considera como ensaio para uma intervenção militar, a Rússia mostra "com poucas palavras" seus interesses e capacidades na área da península da Coreia.

    Bombardeiros estratégicos russos Tu-95MS em 24 de agosto realizaram voos de rotina sobre o mar do Japão (também conhecido como mar do Leste), o mar Amarelo e o mar da China Oriental, ou seja, contornaram a península da Coreia. Os bombardeiros foram acompanhados por caças Su-35S e aviões-radar A-50, no que foi a maior escolta ultimamente realizada.

    Os voos foram efectuados de acordo com as leis internacionais, os espaços aéreos de outros países não foram violados. No entanto, os aviões russos suscitaram interesse por parte dos militares sul-coreanos e japoneses.

    Como considera o analista da Sputnik Aleksandr Khrolenko, a Força Aeroespacial russa avaliou o possível teatro de operações e enviou desta forma uma mensagem aos parceiros norte-americanos, que tentam comandar a situação desequilibrada da região.

    Armagedom móvel

    As aeronaves da aviação estratégica efetuam regularmente voos sobre águas neutrais, mas não é frequente os Tu-95SM realizarem voos acompanhados por caças e aviões-radar. Tal "escolta" mostra o alto nível de preparação dos sistemas de designação de alvos, das armas de ataque e da cobertura de caças para efetuar missões de importância estratégica.

    O avião A-50U está equipado com o sistema de radar Shmel, que pode detectar alvos à distância de 300 a 600 km. A nova versão possui um sistema de comando do radar totalmente digital e um cockpit de conforto aumentado, adaptado para patrulhas do espaço aéreo de longa duração. Além disso, o A-50U se distingue do seu antecessor por sua maior autonomia de voo.

    Os Tu-95MS, por sua vez, são bombardeiros estratégicos capazes de transportar mísseis de cruzeiro de longo alcance tipo ar-ar. A produção em série do avião teve início em 1981 e esta é a modificação mais aperfeiçoada do bombardeiro estratégico Tu-95 da era soviética. O míssil de cruzeiro Kh-55SM (código da OTAN — AS-15В Kent) entrou em serviço em 1987 e pode atingir alvos à distância até 3000 quilômetros. O peso do míssil é de 1500-1700 quilos. Em condições de combate, o bombardeiro pode destruir várias cidades do inimigo não entrando na sua zona de defesa antiaérea.

    Falando dos caças Su-35S, vale destacar que estes são capazes de desviar o jato de reação na direção requerida graças à mobilidade da boca do motor. Em outras palavras, o piloto dirige o avião não só com o uso das flaps, mas também por meio dos fortes jatos de reação. Isto permite ao avião mudar sua direção, altitude de voo e posição no ar de maneira rápida e quase sem efeito de inércia.

    Aproveitando sua vantagem em manobrabilidade, o Su-35 pode rapidamente se aproximar da cauda do inimigo e derrubá-lo com um ataque preciso. Ademais, o moderno complexo de bordo de luta radioeletrônica e a alta velocidade da aeronave ajudarão a aumentar a distância e a evitar os mísseis do inimigo.

    Como sublinha o autor do artigo, o potencial do grupo aéreo russo sobre os mares do Japão, Amarelo e da China Oriental faz alusão ao "Armagedom móvel" e torna o possível teatro de operações um "livro aberto".

    Reação forçada

    O mar do Japão (mar do Leste) é um mar interno da Rússia, Coreia do Norte, Coreia do Sul e Japão. As ameaças crescentes dos EUA, país que não faz parte da região, em relação a Pyongyang e as manobras de grande escala suscitam preocupações dos jogadores legítimos da região — a China e a Rússia.

    Moscou não pode deixar sem atenção as promessas dos EUA de "pôr em ordem" mais um governo indesejável, que fica muito perto da cidade russa de Vladivostok. De qualquer maneira, a Rússia tem que reagir à ameaça de um possível conflito armado de grande escala perto do seu território.

    Contudo, é a Rússia que apela à Coreia do Norte para não reagir às manobras dos EUA e Coreia do Sul. E Pyongyang continua calma, pelo menos aparentemente, e não vai além de fazer declarações sobre a "vingança impiedosa".

    Fotos recentemente publicadas pela agência norte-coreana KCNA com Kim Jong-un e cartazes que supostamente mostram novos mísseis norte-coreanos provocaram preocupações na mídia internacional. No entanto, sublinha Khrolenko, Kim Jong-un é um político de mente sóbria, que usa as armas nucleares como fator de contenção de Washington. Todo o mundo sabe que um ataque preventivo norte-coreano receberá um ataque em resposta por parte dos EUA.

    Provavelmente, resume o autor, o problema nuclear da Coreia do Norte apenas pode ser resolvido por meio de negociações com Pyongyang. Mas até hoje os norte-coreanos apenas observaram atitudes hostis da parte dos EUA, tentando estes mobilizar todo o mundo contra a Coreia do Norte.

    Mais:

    Espionagem aérea: como EUA vigiam Coreia do Norte
    Washington e Coreia do Sul provocam agravamento da crise na península da Coreia
    Coreia do Norte abre barragens na fronteira com a Coreia do Sul
    Coreia do Norte realiza novo teste balístico com três mísseis, dizem EUA
    Tags:
    Península da Coreia, Rússia, EUA, Tu-95MS, Su-35S, A-50U, aviação russa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar