02:28 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Caça furtivo F-35B da Força Aérea dos EUA em um hangar após a cerimônia de apresentação na base aérea de Eglin (foto de arquivo)

    Caça furtivo F-35 experimenta selva, tempestades de gelo e temperaturas extremas

    © REUTERS / Michael Spooneybarger/File Photo
    Defesa
    URL curta
    59811

    Os engenheiros aproveitaram a oportunidade para efetuar a prova final deste equipamento militar em umas das condições climáticas mais duras do mundo.

    O local dos testes é conhecido como laboratório McKinley e se encontra na base aérea de Eglin, sendo capaz de simular qualquer condição climática, desde nevadas incessantes e frio ártico até a humidade da selva tropical.

    Estas provas são necessárias para saber como os aviões de combate, os caminhões e outros veículos reagem às diferentes condições naturais.

    ​Recentemente, o laboratório submeteu a provas o avião de decolagem e aterrisagem vertical F-35B da empresa Lockheed Martin, informou o portal Popular Science.
    As condições incluíram temperaturas de 40 graus negativos e tempestades de gelo simuladas.

    Centenas de parâmetros do sistema do F-35B foram testados através de dezenas de cenários de mau tempo. Os engenheiros examinaram o combustível (que se se torna pegajoso com as baixas temperaturas), assegurando-se de que este seria capaz de continuar a abastecer motor nas condições de frio extremo.

    ​Também provaram a tela do piloto para que não se derreta com 120 graus de calor e ainda permita que seu operador bloqueie um alvo inimigo a 160 km de distância.

    A instalação começou a operar em 1947 e desde então se ampliou para incluir 10 câmeras, além de um hangar principal. Atualmente, no local há salas de provas de temperatura e humidade, sal e vento, chuva, pólvora, clima de deserto, trópicos e selva.

    No laboratório McKinley foram testados "praticamente todos os aviões do mundo ocidental", afirmou Billie Flynn, piloto de provas para o avião F-35.

    Mais:

    The Times revela custos ocultos dos F-35
    Fundindo F-22 e F-35: o que querem os EUA contrapor ao T-50 russo
    Uma falha atrás da outra: pilotos do F-35 americano voam sem oxigênio
    Tags:
    temperatura, provas, testes, F-35 Joint Strike Fighter, Força Aérea dos EUA, Lockheed Martin, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik