04:30 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    20401
    Nos siga no

    Em 20 de julho, o presidente russo, Vladimir Putin, assinou um decreto que estabelece a doutrina naval da Rússia até 2030. A Marinha russa será equipada com mísseis de longo alcance e alta precisão, mísseis hipersônicos, complexos robóticos e aparelhos submarinos.

    Muita atenção é dada às altas tecnologias e não é por acaso, visto que é impossível imaginar o futuro da Marinha sem elas. Hoje em dia as potências mundiais testam novas armas quase diariamente: armas de laser, drones, aeronaves hipersônicas, todas elas são criadas de acordo com os princípios físicos mais recentes.

    Como considera o ex-comandante da Frota do Norte, Vyacheslav Popov, os tempos em que o poder da Marinha se determinava pelo número e envergadura dos navios já passaram.

    "Se antes, para realizar alguma tarefa importante, precisávamos de uma esquadra inteira, agora esta pode ser cumprida por um par de navios com alto suporte informacional e defesa radioeletrónica. Hoje em dia tudo se baseia nas altas tecnologias: a coleta de informação, a aquisição de alvos, os sistemas de guerra eletrônica, as armas de alta precisão. Estes são elementos determinantes ", afirmou Popov à Sputnik.

    Porta-aviões e defesa aérea

    Atualmente, a Marinha da Rússia conta como múltiplos navios de combate, tanto de superfície, quanto submarinos. Nos próximos 10-15 anos, a Rússia vai precisar de porta-aviões, considera Popov, mas não de porta-aviões simples. O país tem que apostar nas versões multifuncionais, principalmente, nos navios capazes de garantir a defesa aérea nas fronteiras marítimas.

    "Precisamos de porta-aviões universais para duas frotas, a Frota do Norte a do Pacífico. Estes navios vão cumprir tarefas de defesa aérea e terão capacidade de atacar alvos costeiros e marítimos", opina Popov.

    Mísseis hipersônicos

    A nova doutrina naval russa destaca que a concorrência global segue crescendo e que a Rússia pode enfrentar pretensões territoriais. Entre outras ameaças estão o terrorismo, a pirataria, o tráfico de armas e de drogas.

    Para lutar com tudo isso, a Rússia precisa de uma Marinha potente. Uma das principais exigências é a capacidade de atacar o adversário com armas convencionais, bem como poder usar armas nucleares.

    Oleg Ponomarenko, especialista militar, considera como realistas as perspectivas de desenvolver armas hipersônicas para a Marinha russa, mas sublinhou que isso poderá ser insuficiente.

    "Falando do lado técnico do assunto, é um objetivo realista. Mas ter mísseis hipersônicos é apenas uma das tarefas", declarou ele para o serviço russo da Rádio Sputnik.

    O especialista chamou a Marinha da Rússia de uma das mais poderosas do mundo, apelou a passar das tecnologias soviéticas para as tecnologias mais modernas e lembrou o potencial crescente das outras marinhas, especialmente a da China.

    Mais:

    Ministério russo revela quando começará a construção de novo porta-aviões
    Águas agitadas: Marinha da Rússia realiza exercícios paralelos aos da OTAN no mar Negro
    Dia da Marinha na Rússia: três séculos a proteger as fronteiras marítimas
    Marinha da China mostra sua bandeira para OTAN no Báltico
    Tags:
    míssil hipersônico, porta-aviões, Marinha da Rússia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar