12:09 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Avião P-8 Poseidon da Marinha dos EUA

    Como as forças especiais dos EUA utilizam aviões humanitários e privados

    © AP Photo/ Greg Wood
    Defesa
    URL curta
    5415

    O Pentágono e a comunidade da inteligência dos EUA tentam esconder e tornar secreto ao máximo a realização de operações especiais fora dos EUA e utilizam o serviço de companhias privadas. Às vezes surge a pergunta até que ponto esta prática corresponde às normas do direto internacional.

    Junho deste ano foi marcado pelo seguinte escândalo: as forças especiais dos EUA utilizavam a companhia Transoceanic Development, que trabalha com organizações humanitárias, para esconder a sua atividade no Iêmen.

    Sob cobertura humanitária

    Em março de 2015, na capital iemenita Sanaa, os militantes houthis detiveram o cidadão americano Scott Darden. Depois de seis meses, ele foi liberado após interferência pessoal do sultão de Omã.

    No Iêmen Darden chefiava a atividade operacional da companhia Transoceanic Development da Nova Orleães. Esta empresa trabalhava com a logística e transporte de cargas humanitárias de organizações como a Cruz Vermelha e UNICEF (Fundo de Criança da ONU).

    Mas, de acordo com The New York Times, Darden também era responsável pela logística das forças especiais americanas, nomeadamente, do destacamento Task Force 48-4.2 no Iêmen. Na altura de seu rapto, neste país do Oriente Médio trabalhavam cerca de 125 assessores militares das forças de operações especiais dos EUA.

    O que precedeu a logística privada

    Os EUA têm efetuado operações contra a Al-Qaeda (grupo terrorista proibido na Rússia e muitos outros países) no Iêmen no mínimo desde 2009. Eles treinaram unidades locais, forneceram equipamentos e atacaram a partir do ar, principalmente através de drones, porém às vezes também utilizaram mísseis de cruzeiro, como em outubro de 2016.

    Em dezembro de 2009, durante a operação Duna de Cobre, cerca de 40 civis foram assassinados por mísseis de cruzeiro quando os americanos atacaram uma povoação de província iemenita com base em uma informação falsa.

    Depois do início da operação em grande escala da Arábia Saudita no Iêmen, os navios da Marinha americana foram várias vezes alvo de disparos dos houthis. Depois disso, se verificou que informação falsa pode provocar escândalos internacionais.

    Envolvimento de companhias privadas

    Em 2007, o equipamento e material militar dos EUA para o Iêmen foi encomendado pela companhia privada Panalpina, em 2008 – pela DHL Global Forwarding.

    O envolvimento de companhias logísticas privadas é compreensível do ponto de vista militar. Não é preciso desdobrar para operações de pequena escala toda uma infraestrutura militar, que é grande, lenta e visível, não é preciso destacar aviões e pessoal, se pode evitar a atenção da mídia e da opinião pública.

    De qualquer forma, a mistura de cargas humanitárias e militares, ou civis com objetivos militares, provoca muitos problemas — em primeiro lugar para as organizações humanitárias.

    Por um lado, prejudica a reputação delas e as relações com as autoridades regionais, por outro – os funcionários das organizações humanitárias e empresas de logística se sentem ameaçados, porque para muitos agrupamentos eles não são voluntários, mas participantes das ações de combate.

    Ilia Plekhanov para a Sputnik

    Mais:

    Queda de helicóptero militar saudita no Iêmen mata pelo menos 12 pessoas
    Veterano do 'Alfa': Seals são as melhores tropas especiais? Sim, na corrida de burros!
    Tags:
    terrorismo islâmico, escândalo, forças especiais, Al-Qaeda, EUA, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik